Dólar tem leve baixa com EUA; Ibovespa recua com realização de lucros – Valor

SÃO PAULO  –  O dólar mantém o padrão recente de moderadas variações ante o real e opera nesta terça-feira (13) apenas em leve queda, que ainda assim praticamente devolve a ligeira alta de ontem (12).

Por volta das 13h20, o dólar comercial caía 0,10%, a R$ 3,2538. Na segunda-feira (12), a moeda americana havia terminado com valorização de 0,18%. No mercado futuro, a taxa do contrato com vencimento em abril tinha baixa de 0,29%, a R$ 3,2575.

A baixa do dólar reflete um movimento global, com a moeda perdendo terreno frente a várias divisas após. O índice de preços ao consumidor dos Estados Unidos referente a fevereiro amenizar receios sobre o risco de o Federal Reserve (Fed, o BC americano) precisar subir os juros mais que o necessário, diante de sinais de vida da inflação.

“O dólar deve ser alvo de renovada pressão vendedora”, dizem estrategistas do Morgan Stanley, segundos os quais o “achatamento” da curva de rendimentos nos EUA reduziu a demanda de investidores japoneses por bônus denominados em dólar.

Além disso, a moderação no crescimento dos salários nos EUA em fevereiro sugere que o dólar continuará “para trás”, por ora.

Juros

Os números de inflação nos Estados Unidos reduzem um importante risco no horizonte: o de endurecimento do aperto monetário no país. Com o cenário externo mais ameno, os investidores reafirmam a aposta de queda da Selic na reunião do Copom na semana que vem e até de permanecer baixa por algum tempo.

No entanto, por mais que a confiança aumente, isso não se traduz numa queda mais acentuada dos juros futuros de curto prazo. Mesmo antes dos números americanos, a expectativa de corte de 0,25 ponto percentual da Selic, para 6,50%, na decisão de 21 de março já se consolidava com quase 90% de probabilidade.

Dentre as grandes instituições que migraram para essa aposta está o Nomura. Isso por causa da inflação no Brasil. O IPCA acumulado em 12 meses está em 2,84%, significativamente abaixo da previsão do BC de 3,09%. “Nós também acreditamos que uma amplo hiato na economia – apesar do fortalecimento do crescimento – permitirá que o BC mantenha esse nível expansivo durante 2018”, aponta o banco.

E agora o que se aguarda é a comunicação do BC para os próximos passos.

Nesta terça-feira, alguns players estão apostando que o Copom pode sinalizar que o corte de março seria o último e consequentemente o prêmio de risco visto na curva tende a fechar um pouco. “Não que seja a opinião majoritária, mas vemos algumas casas se movimentando nesse sentido”, diz um operador Luis Laudisio, da Renascença.

Sinal dessa cautela é o ligeiro avanço de dois pontos da taxa projetada pelo DI janeiro de 2019, a 6,470%. O DI janeiro de 2020 marca 7,280%, em leve baixa.

O que se espera do comunicado do Copom – que acompanhará sua decisão para Selic no próximo dia 21 – é um certo grau de flexibilidade para a trajetória do juro básico, sem fechar totalmente a porta para novos cortes. “O BC deve endurecer um pouco o tom e indicar que o ciclo realmente está terminando, mas não parece que vai se fechar a novas surpresas da inflação”, diz um gestor.

Os juros futuros de prazos mais longos são os mais beneficiados pelo alívio com a conjuntura americana. Hoje, a diferença desses vértices para os mais curtos volta a cair, sinalizando a queda do prêmio cobrado ao longo da curva. A taxa projetada pelo DI janeiro de 2023 cai 7 pontos-base para 9,110%.

Bolsa

Depois de uma abertura positiva, o Ibovespa acabou cedendo à realização de lucros e terminou a manhã em leve queda. O recuo do preço do petróleo e um certo desconforto dos investidores com a política americana — reforçado hoje pelo afastamento do secretário de Estado, Rex Tillerson — deram argumento para esse ajuste.

Às 13h30, o Ibovespa caía 0,66%, para 86.331 pontos. Na máxima, alcançou 87.333 pontos.

O mercado reagiu positivamente aos dados de inflação dos Estados Unidos e aos números de vendas no varejo no Brasil. O CPI subiu 2,2% em fevereiro, levemente abaixo do esperado (2,3%). O núcleo do indicador avançou 1,8%, também abaixo do projetado (1,9%). 

No cenário brasileiro, o mercado reagiu ao resultado das vendas no varejo mais forte do que o esperado. Em janeiro, o varejo restrito cresceu 0,9%, ante estimativa de 0,5%.

Mas, no fim da manhã, as blue chips Vale e Petrobras mudaram o sinal e jogaram o índice para baixo. Petrobras PN recua 0,54%, enquanto o papel ON da petrolífera cai 0,75%. Vale ON cai 0,54% no horário.

“Os investidores relatam uma certa preocupação com o rumo da política dos Estados Unidos, com o avanço dessa postura muito protecionista”, afirma Fabio Carvalho, da CM Capital Market. “E sem fatos novos por aqui, o mercado acaba fraquejando.”

No noticiário corporativo, Fibria (-0,79%) e Suzano (1,36%) seguem como destaques. O mercado acompanha as notícias sobre as negociações da venda da Fibria, que está sendo disputada pela Suzano e também pela Paper Excellence.

Na visão dos profissionais de mercado, esse evento coloca viés de compra para as duas empresas brasileiras. Isso porque a Suzano deve travar uma “guerra” para comprar a concorrente porque, sem esse negócio, ela fica com pouquíssimas opções de crescimento e, portanto, acabará sendo um alvo de aquisição por outra empresa.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!