Governo derrubará veto do Refis das pequenas empresas em breve – Exame

Segundo Temer, Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento) têm trabalhado na solução que em breve será apresentada aos empresários

Por Eduardo Simões, da Reuters

access_time 13 mar 2018, 18h57

São Paulo – O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira que seu governo irá apresentar uma solução que permita a derrubada do veto do Refis das pequenas empresas sem incorrer em crime de responsabilidade.

Em evento na Associação Comercial de São Paulo, Temer disse que os ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento) têm trabalhado nessa solução e que em breve ela será apresentada aos empresários.

“Agora está sob exame o veto que foi aposto. Vou até dar uma notícia ao Afif, ontem a noite eu chamei o Meirelles, chamei o Rachid (secretário da Receita Federal), chamei o Dyogo e nós temos uma solução que será levada a você”, disse, dirigindo-se ao presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, um forte defensor do projeto.

“Talvez tenhamos uma solução para que o Poder Executivo, o presidente da República não sofra acusação de crime de responsabilidade e, ao mesmo tempo, nós possamos acolher o veto. Portanto, o governo iria ao Congresso pelos seus líderes e diria: ‘o governo apoia a queda do veto e agora nós resolvemos este assunto’”, acrescentou.

Em janeiro, Temer vetou integralmente o projeto que permite o parcelamento das dívidas das pequenas e micro empresas sob a alegação de que a proposta fere a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Liturgia

Ao defender a reforma da Previdência –fora da pauta do Congresso desde a intervenção federal na área de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro–, Temer disse que faz questão de apontar o dedo para os interesses contrariados e disse que não aceitará mais o que chamou de ataques à sua moral e o desrespeito à hierarquia.

“Olha, meus amigos, eu vou dizer a vocês… a guerra que eu pessoalmente recebi em razão dos setores interessados nisso. Eu denuncio, eu aviso, eu aponto o dedo”, disse Temer. “Porque hoje tem que apontar o dedo. Se você não fizer isso, você não reinstitucionaliza o país”, acrescentou.

“E o país perdeu inteiramente a ideia de liturgia, a ideia de autoridade, a ideia de uma certa hierarquia, responsabilidade”, continuou. “Eu tenho a honra de ser presidente da República, acho que fizemos muito pelo país, mas confesso a vocês que ao chegar lá, essas questões destrutivas, essas questões daqueles privilegiados, tentaram degradar-me moralmente. Eu tenho dito com muita frequência que não vou mais tolerar isso.”

Os comentários do presidente ocorrem em meio a um embate com o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do chamado inquérito dos portos, no qual o presidente é investigado pela suspeita de ter recebido propina em troca da edição de um decreto.

Nesta tarde, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, repetiu que Barroso tem usurpado prerrogativas do presidente e disse que está avaliando a possibilidade de entrar com um pedido de impeachment do ministro do Supremo junto ao Senado.

Juros

Num longo discurso, em que discorreu sobre medidas adotadas e resultados positivos na economia, Temer disse também ser possível que a taxa básica de juros continue a ser reduzida até atingir o que chamou de “patamar razoável”.

A taxa básica de juros Selic está atualmente em 6,75 por cento ao ano e a expectativa do mercado é de que seja reduzida a 6,50 por cento na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da próxima semana.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!