Juros curtos fecham em alta e longos caem, com ajustes na percepção sobre Selic – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam a sessão regular desta terça-feira (13) em alta nos contratos curtos e em queda nos vértices longos e intermediários, refletindo ajustes de posição à percepção para a política monetária no Brasil. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,460%, de 6,449% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2020 passou 7,28% para 7,29%.

A taxa do DI para janeiro de 2021 caiu de 8,23% para 8,19%. A taxa do DI para janeiro de 2023 recuou de 9,18% para 9,10%.

Ao contrário da semana passada, desde a segunda-feira, o mercado vem corrigindo a percepção sobre a possibilidade de a Selic continuar em queda após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da próxima semana, porque o Banco Central deve dar preferência ao esforço de mantê-la baixa por longo tempo.

Um eventual novo corte da Selic em maio vinha sendo objeto de debate nas mesas após a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro e declarações do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn. “O movimento da curva como um todo parece ser o mercado considerando a ideia da Selic ficar baixa por um prazo de tempo mais longo do que era esperado”, disse o economista da Saga Capital William Michon Jr.

As taxas começaram o dia em alta, com a abertura dos negócios coincidindo com a divulgação da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), que trouxe as vendas do varejo restrito acima da mediana das estimativas. As vendas avançaram 0,9%, ante mediana das previsões de +0,05%.

Posteriormente, o avanço foi suavizado pelo dado da inflação ao consumidor nos Estados Unidos (0,2%) em linha com o previsto, ou até abaixo no caso da comparação anual (2,2%), cuja expectativa era de 2,3%. E, ainda pela manhã, as taxas longas começaram a cair com força, na medida em que a inflação nos Estados Unidos também produzia efeito benigno no câmbio.

À tarde, no entanto, o dólar passou a subir ante o real, mas esta virada não contaminou os negócios na renda fixa. Também não houve agenda relevante, tampouco o noticiário serviu para alterar a rota das taxas na etapa vespertina.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!