Ouro fecha em alta, influenciado por inflação dos EUA e demissão de Tillerson – Jornal do Comércio

Os contratos futuros de ouro fecharam em alta nesta terça-feira, na esteira da desvalorização do dólar após a inflação dos EUA e da demissão do secretário de Estado americano, Rex Tillerson, que deram suporte à demanda pelo metal amarelo.

Mais cedo, o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos informou que em fevereiro o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) avançou 0,2% na variação mensal, em linha com a expectativa de analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires. O indicador sinalizou que a inflação no país pode estar sob controle e amenizou aposta de um aperto mais forte do previsto da política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

A partir daí, o dólar iniciou uma tendência de desvalorização ante as moedas fortes. Com a divisa americana mais fraca, ativos cotados nela, como o ouro, tornam-se mais acessíveis para investidores de fora dos EUA.

Ao mesmo tempo, a saída de Tillerson intensifica temores em torno de um aprofundamento da política protecionista de “América primeiro” propagada por Trump, que levam investidores a procurar ativos considerados seguros diante de volatilidade e incerteza, a exemplo do metal amarelo.

“Com a maior parte dos dados de inflação do mundo sendo reportada perto ou pouco acima de uma alta de 2%, a maioria (dos operadores e investidores) concorda que não há motivo para estarmos alarmados”, afirmou o analista sênior de metais da Kitco.com, Jim Wyckoff.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para abril teve alta de US$ 6,30 (+0,48%), a US$ 1.327,10 a onça-troy. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!