Petróleo recua em meio a temores de aumento da oferta por parte dos EUA – Jornal do Comércio

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda nesta terça-feira (13) pressionados por expectativas de aumento dos estoques e da produção nos Estados Unidos. Nem mesmo um aumento da estimativa para o preço do barril pela agência de classificação Moody’s trouxe alívio ao mercado.

Na Nymex, em Nova Iorque, o petróleo WTI para abril fechou em queda de US$ 0,65 (-1,06%), aos US$ 60,71 por barril. Na ICE, em Londres, o petróleo Brent para maio fechou em queda de US$ 0,31 (-0,48%), a US$ 64,64 por barril.

Os investidores estão aguardando dados sobre a situação dos estoques e da produção americana, a serem divulgados amanhã pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês).

Recentemente, preocupações com o aumento acentuado da oferta americana, bem como do número de poços e plataformas em operação no país, têm levantado temores renovados sobre os excedentes globais de commodity. O aumento da participação americana no mercado de petróleo coincide com os esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para reduzir a oferta de países-membros a fim de elevar os preços e equilibrar o mercado.

Nem mesmo a elevação das estimativas de preço da Moody’s foi suficiente para fazer com que os contratos fechassem no azul. A agência de classificação de risco elevou a previsão média para o preço do barril de US$ 40 a US$ 60 para US$ 45 a US$ 65 no ano, citando o cumprimento do acordo da Opep de corte de produção.

Mais cedo, os preços chegaram a subir após o anúncio do desligamento do secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson. Há a preocupação de que, com a saída do ex-diretor-executivo da ExxonMobil, o governo Trump assuma uma postura mais dura em relação ao acordo nuclear do Irã.

Firmado em 2015 com potências ocidentais, o acordo permitiu que o país árabe retomasse as exportações de petróleo em troca de garantias de que não estava desenvolvendo mísseis balísticos e armas nucleares.

Caso Trump encerre o acordo e aplique sanções contra o petróleo iraniano, a retirada do país do mercado internacional impactaria a oferta, com um provável aumento dos preços. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!