Ibovespa perde os 86 mil pontos com cautela por EUA; dólar oscila – Valor

SÃO PAULO  –  A piora de humor em Wall Street pesou sobre o mercado local e empurrou o Ibovespa mais uma vez para o terreno negativo. As preocupações com a política protecionista do governo Trump explicam esse clima de cautela, que acabou se sobrepondo à agenda de indicadores econômicos.

Às 13h402, o Ibovespa caía 0,62% aos 85.931 pontos. Na máxima, chegou a 86.970 pontos e, na mínima, tocou 85.691 pontos.

Segundo anotou o jornalista Luis Leal, do Valor, o porta-voz da Casa Branca confirmou que os EUA estão pressionando a China a reduzir o superávit comercial com o país em US$ 100 bilhões. Até o momento, os parceiros comerciais dos EUA vinham buscando negociar bilateralmente isenções às sobretaxas impostas pelo país às importações de aço e alumínio, evitando retaliações e uma escalada nas tensões. Mas isso pode mudar, apontam analistas, tendo em vista os rumores de que novas tarifas podem ser impostas pelos EUA, a produtos de tecnologia e vestuário, direcionadas à China.

Na lista das maiores quedas, o destaque é Eletrobras, pressionada pela visão de que a resistência política pode atrapalhar a intenção do governo de privatizar a empresa. Às 13h40, a ação ON caía 7,68% e a PNB cedia 7,31%.

Dólar

A queda da volatilidade do mercado de câmbio dá sinais de extensão nesta quarta-feira, dia em que o dólar oscila praticamente em torno da estabilidade ante o real.

Às 13h40, a cotação negociada no mercado interbancário tinha variação positiva de 0,01%, a R$ 3,2611. O dólar para abril subia 0,09%, a R$ 3,2670.

Há exatamente um mês a diferença máxima entre as taxas de câmbio de fechamento não passa de 6 centavos de real. Na máxima do período, o dólar foi a R$ R$ 3,2636, enquanto caiu a R$ 3,2090 na mínima.

Hoje a falta de ímpeto aqui reflete um dia morno no mercado global de moedas. De toda forma, divisas de risco evitam movimentos mais bruscos diante de sinais de que o ritmo da economia americana segue firme, mas sem ameaças iminentes de salto na inflação – o que poderia levar o Fed a acelerar a velocidade de aumento de juros.

Para o Goldman Sachs, o atual conjunto de informações permite a manutenção da expectativa de que o dólar siga em queda no mundo e, por tabela, ante moedas emergentes, diz em nota a clientes Kamakshya Trivedi, estrategista-chefe macro para mercados emergentes do Goldman Sachs.

O banco ainda espera dólar em torno de R$ 3 nos próximos meses, mas leve alta a R$ 3,10 dentro de 12 meses.

Juros

O entusiasmo no mercado com a dinâmica de juros toma uma pausa para respirar. As taxas de DI de curto prazo interrompem a sequência de baixas e caminham hoje para a terceira alta consecutiva.

Esse é o caso do DI janeiro de 2019, que reflete as apostas para a Selic ao longo de 2018. A taxa sobe 3,5 pontos-base nesta quarta-feira, para 6,495%. O avanço acumulado de 6 pontos nas três últimas sessões representa mais de um terço de todo o recuo acumulado quase duas semanas. Desde o último dia 27 até hoje, a baixa – já reduzida – é agora de 8 pontos.

Isso não significa que apostas para a queda da Selic esteja sendo desfeita faltando uma semana para a decisão do Copom. Os juros futuros ainda embutem quase 90% de chance de corte de 0,25 ponto percentual da taxa, a 6,50%, no anúncio do próximo dia 21.

Em contraste com a alta nos juros curtos, as taxas de vencimentos mais longos operam em baixa. O DI janeiro/2025 cai 1 ponto para 9,520% hoje, após registrar ontem sua maior queda em duas semanas.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!