UE quer forçar bancos a aumentar provisões para empréstimos inadimplentes – Jornal do Comércio

O braço executivo da União Europeia revelou nesta quarta-feira uma proposta que irá forçar os bancos da região a reservar mais capital para lidar com novos empréstimos inadimplentes.

Durante a crise financeira, a inadimplência disparou na Europa, conforme empresas e famílias perderam a capacidade de pagar empréstimos que se acumularam durante os anos de bonança. Ainda que as dívidas estejam caindo em meio à recuperação econômica no continente, bancos que continuam com dificuldades de obter lucro têm sido lentos em liquidar esses empréstimos.

Nesta quarta-feira, a Comissão Europeia disse que há 910 bilhões de euros em empréstimos inadimplentes na UE que estão atrasando o crescimento.

No plano da UE, que não se refere a essa dívida, os bancos terão de liquidar completamente novos empréstimos sem seguro que deixarem de ser pagos dentro de dois anos. Para empréstimos com seguro, o prazo será de oito anos. A Comissão define um empréstimo como inadimplente quando o mutuário não realizou um pagamento há mais de 90 dias ou é improvável que ele pague num futuro próximo.

“Conforme a Europa e sua economia retomam força, precisamos aproveitar o momento e acelerar a redução de empréstimos inadimplentes”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis.

A Associação de Mercados Financeiros da Europa, que representa bancos globais e europeus, criticou a proposta, dizendo que “o nível apropriado de provisões para empréstimos deve ser determinado banco a banco, em linha com os reguladores”.

Os planos da Comissão Europeia ainda precisam ser aprovados pelos países e devem encontrar resistência especialmente dos Estados com um grande portfolio de empréstimos inadimplentes. Na Grécia, eles correspondem a quase 47% do total de empréstimos. Na Itália e em Portugal, são 12,1% e 14,6%, respectivamente.

O Banco Central Europeu (BCE), que supervisiona os maiores credores da zona do euro, também deverá estabelecer novas regras sobre a questão em breve. Mas, ao contrário da Comissão, que tem o poder de impor regras a todo os bancos, o BCE só pode fazê-lo caso a caso.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!