Conselho da Petrobras avaliará estudo sobre mudança nos dividendos, diz Parente – Jornal do Comércio

Em coletiva de imprensa para apresentar o resultado da empresa em 2017, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, destacou o pedido do conselho de administração para que fossem avaliadas mudanças na política de distribuição de dividendos. “Temos novidades importantes para os acionistas”, afirmou.

O estudo, se aprovado pelo conselho de administração, será levado à assembleia com acionistas em abril. A companhia avalia pagamento trimestral de dividendos, conforme comunicado ao mercado divulgado mais cedo.

A nota diz que o conselho de administração determinou a realização de estudos para alterações no estatuto social na cláusula de destinação dos resultados, com o objetivo de estabelecer pagamentos trimestrais de dividendos ou de juros sobre capital, “bem como possibilitar o pagamento de dividendos intermediários à conta da reserva de lucros”.

No balanço de 2017 não há menção a distribuição de proventos aos acionistas.

O presidente da Petrobras afirmou que a mudança na política de pagamento de dividendos vale para a controladora e não necessariamente será estendida às subsidiárias, como à BR Distribuidora. O conselho da BR vai decidir por conta própria se vai pedir estudo para mudar a sua política.

Para a controladora, a mudança “não é inusitada, mas uma visão de aperfeiçoamento”, disse Parente.

Ao encerrar a coletiva de imprensa em que detalhou o resultado financeiro de 2017, o presidente da Petrobras ainda afirmou que houve uma melhora na gestão da dívida, ao eliminar passivos.

Apesar do pagamento de R$ 11,1 bilhões a investidores nos Estados Unidos, para encerrar ação coletiva, o que comprometeu a geração de caixa e métricas de alavancagem, a perspectiva é de que a meta de 2,5 vezes para a relação de Ebitda ajustado e dívida líquida seja alcançada ao fim do ano.

Para isso, a empresa conta com o fluxo de caixa livre e com a continuidade dos resultados operacionais positivos. “A empresa, sob o ponto de vista operacional, está muito bem e temos certeza de que vamos continuar bem”, disse Parente

O primeiro óleo do campo de Mero, na Bacia de Santos, será produzido em 2021, segundo a diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Gomes, que participou da entrevista coletiva de imprensa para apresentar os resultados de 2017.

Anteriormente, a previsão era que a plataforma de Mero começasse a operar em 2020. Porém, a contratação da embarcação atrasou, devido a uma longa discussão sobre o conteúdo local do FPSO, inclusive na Justiça.

Solange informou ainda que a plataforma da área de Sépia, também de cessão onerosa, começará a produzir em 2021.

Em sua apresentação, a diretora destacou ainda que, em 2017, a reposição de reservas superou a produção.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!