Juros fecham em alta com ajustes em apostas para Selic e avanço do dólar – Jornal do Comércio

Os juros futuros de curto prazo completaram a quarta sessão seguida de alta, ainda influenciados pela redução das apostas em torno de uma possível queda da Selic para abaixo de 6,50%. As taxas longas fecharam a quinta-feira (15) perto dos ajustes de quarta-feira, com viés de alta em alguns contratos, refletindo a piora da percepção de risco no exterior que levou o dólar para perto de R$ 3,30.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou a sessão regular em 6,490%, de 6,484% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2020 encerrou em 7,38%, de 7,35% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2021 subiu de 8,23% para 8,25% e a do DI para janeiro de 2023 terminou em 9,12%, de 9,10%.

A exemplo dos últimos dias, os vencimentos curtos e intermediários continuaram se movendo a partir da expectativa para a Selic nos próximos meses, ainda que a agenda da quinta-feira, que trouxe somente o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) de março (0,45%) em linha com a mediana das estimativas (0,44%), não tenha interferido nos negócios.

Enquanto seguem majoritárias as apostas para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) na próxima semana em torno de um corte de 0,25 ponto porcentual da Selic, hoje em 6,75%, para maio o mercado vê como cada vez menores as chance de uma nova flexibilização. Com isso, o ciclo de queda seria encerrado, ou ao menos pausado, agora em março.

Os juros longos já estavam em alta pela manhã, alinhados com o avanço do dólar, tendo batido máximas antes do leilão de títulos prefixados. Passada a operação, no começo da tarde, os players desmontaram operações de proteção e as taxas migraram para o ajuste, recompondo depois um pouquinho da alta no meio da tarde, na medida em que o dólar voltava a se aproximar de R$ 3,30. O Tesouro vendeu integralmente as ofertas de 8,5 milhões de Letras do Tesouro Nacional (LTN) e de 1,250 milhão de Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-F).

Às 16h31, o dólar à vista subia 0,83%, aos R$ 3,2910. A moeda está em alta generalizada ante as demais divisas, refletindo o temor dos investidores ainda com uma possível guerra comercial após as medidas protecionistas do governo Donald Trump, agravado nesta quinta pelo anúncio de sanções contra a Rússia por interferência nas eleições de 2016. Ao todo, cinco empresas e 19 russos terão seus bens bloqueados e estão proibidas de fazer negócios com cidadãos americanos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!