Medida popular gera crescimento e emprego, diz Henrique Meirelles – Jornal do Comércio

O ministro da Fazenda e presidenciável, Henrique Meirelles, afirmou ontem que a medida que funciona na economia é a que gera crescimento e emprego. Em uma conversa pelo Twitter, o ministro foi questionado sobre como ganhar votos com propostas corretas, mas possivelmente impopulares, sem mentir ou prometer absurdos .

Em resposta, o ministro disse que, em primeiro lugar, era preciso definir o que é medida popular e o que é medida populista. “Medida popular é aquela que funciona na economia, gera crescimento e emprego. Medidas populistas são aquelas que visam ganhar simpatia num primeiro momento e que tendem a falhar e fracassar em seguida. Portanto, é importante tomar medidas que não sejam populistas, oportunistas, mas que gerem crescimento da economia, inflação baixa, e emprego e produção em alta. Isto sim merece e é levado em conta pela população. De fato é o que interessa a cada um: emprego e inflação baixa”, afirmou.

O ministro foi também questionado pelos movimentos de intervenção no câmbio, feitos durante o governo Dilma Rousseff e sobre qual seria a sua política cambial. Meirelles respondeu que o Banco Central pode agir no mercado de câmbio com duas finalidades apenas ou intervir em processo de falta de liquidez ou para acumular reserva. Ele disse ainda que a intervenção no mercado de câmbio visando o controle da cotação da moeda tem se mostrado “ineficiente”, não só no Brasil como em outros países.

Meirelles foi perguntado ainda sobre a carga tributária do País, se ele não a consideraria demasiadamente alta. O ministro afirmou que a maneira de diminuir a carga tributária no Brasil é cortar despesas. “Estamos conseguindo isso com imposição de um teto para aumento dos gastos públicos, que é menor do que o crescimento esperado para o produto brasileiro nos próximos anos. Além disso, existem uma série de reformas como por exemplo a da Previdência, que elimina os privilégios e faz com que todos estejam dentro mesmo sistema de aposentadoria.”

O presidente Michel Temer disse durante abertura do Fórum Econômico Mundial sobre a América Latina, em São Paulo, que o Brasil “voltou para ficar” no contexto internacional. Ele disse ainda que “há muito otimismo no Brasil” depois que seu governo “recuperou” o País. “Lá em Davos, eu disse: O Brasil voltou. Aqui eu digo: O Brasil voltou para ficar”, declarou o presidente.

No discurso, o presidente voltou a falar que espera que em 20 anos o programa Bolsa Família não seja mais necessário. “Eu não estou pregando a eliminação do Bolsa Família, estou pregando a manutenção do que estão ganhando e que haja uma evolução no tópico da responsabilidade social”, destacou Temer, divulgando o programa “Progredir”, anunciado para dar emprego a filhos de beneficiários do programa. O presidente classificou a oposição ao seu governo como “incompreensões”. “Um governo que tem um ano e 10 meses com muitas incompreensões, mas que ao longo do tempo tirou o País da recessão e conseguiu um efeito extraordinário já reconhecido por toda a comunidade internacional.” Ao falar sobre as medidas aplicadas pelo seu governo, Temer afirmou que o teto dos gastos públicos pode permitir o equilíbrio entre receitas e despesas da União em um prazo de 10 anos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!