Taxas curtas de juros voltam a fechar em alta e longas ficam estáveis – Jornal do Comércio

Os juros futuros de curto prazo encerraram a sessão regular em alta e os longos, estáveis. A ponta curta foi conduzida por um movimento de realização de lucros, após ter devolvido muito prêmio na semana passada, o que, diante da percepção de que o cenário de médio prazo para a inflação e para a Selic é tranquilo, levou os agentes a aplicarem nos vencimentos longos. Estes chegaram a operar em baixa na manhã desta quarta-feira (14) mas foram para perto dos ajustes de terça, dada a piora no humor externo.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 terminou a sessão regular a 6,485%, de 6,459% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2020 subiu de 7,29% para 7,35% (máxima). A taxa do DI para janeiro de 2021 também terminou na máxima, de 8,23%, de 8,19% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2023 terminou com taxa de 9,10%, a mesma do ajuste anterior.

A agenda doméstica esteve esvaziada nesta quarta, possibilitando aos investidores a se concentrarem em fatores técnicos, que, por sua vez, têm como pano de fundo o otimismo com os fundamentos domésticos.

“O prêmios da curva curta estavam muito comprimidos e essa constatação deu a senha para a zeragem de investidores vendidos que vinham apostando em possíveis novos cortes da Selic (depois de março). Isso acabou gerando também alta nos vencimentos médios e desinclinação dos longos”, resumiu o trader de renda fixa da Quantitas Asset Matheus Gallina.

No exterior, os dados da inflação nos Estados Unidos dentro do previsto e a queda inesperada das vendas no varejo reforçaram a visão dos agentes de gradualismo na política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e chegaram a animar o mercados, além de indicadores fortes da indústria da China.

Porém, a decisão do presidente norte-americano Donald Trump de reduzir em US$ 100 bilhões o déficit comercial com a China e notícia de que poucos produtos devem ser excluídos das tarifas de importação de aço e alumínio trouxeram cautela ainda pela manhã. Os juros futuros atingiram as máximas, levando a ponta longa para a estabilidade.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!