Dólar cai 0,26% no dia, mas encerra semana com valorização de 0,80% – Jornal do Comércio

Depois de ter se aproximado mais um pouco do teto informal dos R$ 3,30, o dólar passou a atrair ordens de venda no período da tarde desta sexta-feira (16) e firmou-se em queda moderada até o encerramento dos negócios. O dia foi de agenda escassa, mas as atenções dos investidores seguiram concentradas em pontos de cautela do cenário norte-americano, como as medidas protecionistas de Donald Trump e a reunião do Federal Reserve.

O dólar à vista terminou o dia cotado a R$ 3,2779, em baixa de 0,26% no dia, mas com alta de 0,80% no acumulado da semana. Logo no início da sessão, a cotação atingiu a máxima intraday de R$ 3,2999 (+0,41%), em linha com o fortalecimento do dólar no exterior. A mínima, de R$ 3,2728 (-0,42%) foi registrada por volta das 16h30, na contramão da tendência internacional, uma vez que a moeda ainda sustentava ganhos ante moedas de países emergentes e exportadores de petróleo.

“A chegada do dólar ao patamar próximo de R$ 3,30 acabou por atrair os agentes que estavam segurando ordens de venda. Então, houve um fluxo que contribuiu para a desaceleração do dólar”, disse Alessandro Faganello, operador da Advanced Corretora. “A cotação de R$ 3,30 é importante porque é o valor que o mercado trabalha nas projeções para o final do ano, embora seja muito cedo para estimar esse valor”, afirmou o profissional.

Outro fator que teria contribuído para a desaceleração à tarde foram as declarações da porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, sobre a decisão do governo dos Estados Unidos de sobretaxar o aço e o alumínio. Ela afirmou que o governo do presidente Donald Trump tem “certa flexibilidade” nas tarifas impostas à importação desses metais. Sanders informou que o diálogo com outros governos sobre quais países e produtos podem escapar das tarifas prosseguirá na próxima semana. “Continuaremos a negociar especificamente com os países”, afirmou a porta-voz. O Brasil é o segundo maior exportador de aço para os EUA.

Para os próximos dias, pelo menos uma das incertezas deve ter algum desfecho, com a realização da reunião de política monetária do Federal Reserve. Mais que a decisão em si, os investidores buscam obter sinalizações do BC norte-americano sobre a intensidade do grau de aperto monetário. Dados mistos sobre a economia dos EUA dividiram analistas quando à realização de três ou quatro aumentos de juros nesta semana.

“A reunião do Fed deve ser o grande evento da próxima semana, uma vez que um corte na taxa Selic, na decisão do Copom, já é dado como certo. O mercado deve iniciar a semana que vem ansioso pelas novas sinalizações”, disse Glauber Romano, operador de câmbio da corretora Intercam.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!