Empresa de transportes MAN amplia produção no Brasil e deve abrir fábrica na Argentina – Jornal do Comércio

A MAN, fabricante de caminhões e ônibus da marca Volkswagen, opera no limite da capacidade produtiva em Resende (RJ), e deve iniciar um segundo turno de trabalho no próximo trimestre. Com alta nas vendas internas e nas exportações, a empresa também estuda abrir uma filial na Argentina, sua principal cliente externa.

Com a contratação de 300 pessoas neste ano, o complexo que reúne também fabricantes de autopeças emprega 3,5 mil funcionários e produz 130 veículos por dia. Para atender a demanda, eles fazem uma hora extra por dia e trabalham aos sábados. “Estamos no limite e o próximo passo terá de ser a abertura do segundo turno”, informa Roberto Cortes, presidente da MAN Latin America, que tomará a decisão a partir de abril.

No primeiro bimestre, a exportação de caminhões da MAN dobrou em volume, para 1.893 unidades. A de ônibus cresceu 85% ante igual período de 2017. A Argentina ficou com 30% das exportações. Como a previsão é de que o mercado continuará crescendo, a empresa avalia uma fábrica local. O investimento sairia do plano de R$ 1,5 bilhão que o grupo tem até 2021.

A ideia é que a produção seja feita com peças exportadas do Brasil e adquiridas localmente, como ocorre na filial do México. As unidades da África do Sul e da Nigéria (aberta no início do ano) só fazem a montagem de CKDs (kits) enviados do Brasil.

A produção local também ajudará no equilíbrio da balança comercial do grupo Volkswagen, pois a MAN exporta para a Argentina mas não importa nada. Ontem, o grupo apresentou no país o Delivery, caminhão de pequeno porte lançado no Brasil em outubro.

No mercado interno, as vendas da MAN quase dobraram, de 1.471 caminhões e ônibus no primeiro bimestre do ano passado para 2.917. O mercado total cresceu 59%, somando 10,3 mil unidades.

Ainda é uma recuperação lenta, diz Cortes, lembrando que a fábrica produziu 80 mil veículos em 2011, em três turnos. Em 2017 foram 26 mil. “De qualquer forma é um quadro bem diferente do que tínhamos na crise, quando a fábrica funcionava só quatro dias por semana e havia 600 funcionários afastados.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!