Estácio tem prejuízo de R$ 12,8 milhões no quarto trimestre de 2017 – Jornal do Comércio

A Estácio encerrou o quarto trimestre de 2017 com prejuízo de R$ 12,8 milhões, ante lucro de R$ 124,3 milhões no mesmo período de 2016. No critério ajustado, porém, a companhia de educação apresenta resultado positivo, de R$ 180,2 milhões, 420,6% maior que o lucro líquido também ajustado no quarto trimestre de 2016.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de 2016 difere do divulgado no quarto trimestre daquele ano pois a taxa administrativa do programa federal Fies (2%) passou a ser contabilizada a partir do terceiro trimestre de 2016, explica a empresa em relatório sobre o desempenho financeiro de 2017.

O indicador ficou em R$ 45,4 milhões no quarto trimestre, 79,1% menor que no mesmo intervalo de 2016, mas pelo critério ajustado teria um aumento de 87,0%, para R$ 238,4 milhões. A margem Ebitda cai de 27,3% para 5,4% no primeiro caso e sobe de 16,0% para 28,4% no ajustado.

A gestão da Estácio, companhia que teve a negociação de fusão com a Kroton negada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), fez lançamentos não recorrentes no resultado de 2017, como R$ 26,8 milhões como baixa de depósitos judiciais na linha de provisão para contingências; R$ 14 milhões em impairment do ágio registrado na Nova Academia do Concurso, uma das adquiridas; R$ 7,1 milhões em revisão da provisão de aluguéis a receber; R$ 3,3 milhões em baixa de créditos fiscais; R$ 6,4 milhões na linha de provisão para crédito de liquidação duvidosa; e R$ 1,7 milhão em despesas com o processo de fusão e aquisição (M&A na sigla em inglês).

Assim, o lucro líquido do acumulado de 2017 é de R$ 424,6 milhões, um aumento de 15,3% sobre 2016, enquanto no critério ajustado a variação pula para 60,7%, aos R$ 630,7 milhões.

A receita líquida cresceu 5,2% no quarto trimestre, para R$ 838,5 milhões, e 6,1% no ano, para R$ 3,379 bilhões.

O total de alunos ao final de dezembro era de 515,4 mil, o que representa um aumento de 1,5% em relação ao quarto trimestre de 2016, o que a Estácio atribui ao crescimento de 17,0% na base de alunos de ensino a distância, para 170,7 mil alunos. Já o segmento presencial apresentou queda de 4,8%, para 344,7 mil alunos.

A base de alunos Fies caiu 20,4% para 92,2 mil alunos. “Importante destacar que, neste semestre, apenas 3,4% dos novos alunos de graduação presencial foram captados via Fies, contra 4,7% no ano anterior”, explica a companhia.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!