Mercado prevê déficit de R$ 139 bilhões em 2018 – Jornal do Comércio

Os analistas de mercado consultados pelo Ministério da Fazenda continuam apostando que o governo fará neste ano um déficit primário menor que aquele fixado como meta fiscal para 2018, que é de R$ 159 bilhões. O Boletim Prisma Fiscal de março, divulgado nesta quinta-feira pela Secretaria de Política Econômica da pasta, mostra que a mediana das previsões passou de um rombo de R$ 149,186 bilhões para R$ 139,132 bilhões.

A melhora na estimativa também se estende para 2019, quando os analistas preveem um déficit primário de R$ 111,892 bilhões, inferior ao déficit de R$ 119 bilhões previsto em fevereiro. A meta fiscal de 2019 é de um saldo negativo de R$ 139 bilhões.

O Prisma Fiscal de março ainda revisou para melhor as previsões de arrecadação e de receita líquida. Na arrecadação, a projeção passou de R$ 1,450 trilhão para R$ 1,455 trilhão em 2018 e de R$ 1,563 trilhão para R$ 1,569 trilhão em 2019. Quanto à receita líquida do Governo Central, a mediana de 2018 subiu de R$ 1,220 trilhão para R$ 1,224 trilhão, e a mediana de 2019 passou de R$ 1,316 trilhão para R$ 1,321 trilhão.

Os gastos do governo também terão uma pequena queda, segundo estimam os entrevistados. A previsão de despesas totais do Governo Central passou de R$ 1,364 trilhão para R$ 1,360 trilhão. Para 2019, a projeção é que o gasto cairá de R$ 1,422 trilhão para R$ 1,420 trilhão. As projeções indicam que a Dívida Bruta do Governo Geral representará 75% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, ante estimativa anterior de 75,50%; e 76,95% do PIB em 2019, contra a projeção de fevereiro, de 77,20%.

O Prisma Fiscal de março também traz estimativas para este e os próximos dois meses. Para março, o déficit piorou, de R$ 9,867 bilhões para R$ 12,322 bilhões. Para abril, a projeção caiu de R$ 9,882 bilhões para R$ 9,662 bilhões. Para maio, recuou de R$ 23,639 bilhões para R$ 22,545 bilhões.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!