Empresas argentinas voltam à bolsa – Jornal do Comércio

A cimenteira argentina Loma Negra começou, no ano passado, a negociar ações na bolsa local e na de Nova Iorque. Captou US$ 1 bilhão, na maior oferta de uma empresa argentina em quase 25 anos. Depois do feito da Loma Negra, deixou de existir qualquer dúvida sobre a volta da Argentina ao radar dos investidores globais.

Em 2017, cinco empresas fizeram ofertas de ações no país vizinho e, para 2018, a expectativa é que esse número mais que dobre.

“A Argentina atravessou uma grave crise, mas muitas empresas boas sobreviveram a esse período e sem endividamento. À medida que a economia volta a crescer e o mercado se normaliza, é natural que elas pensem em fazer investimentos e em captar dinheiro”, diz Emerson Leite, diretor da área de renda variável do Credit Suisse para a América Latina.

A volta das empresas à bolsa por lá começou em 2016, com bancos como o Supervielle e o Macro, levantando recursos para atenderem à retomada da demanda por crédito no país. Agora, se estende para empresas de infraestrutura, como a Loma Negra e a Corporación America, que atua em aeroportos, agroindústria e energia e a Central Puerto.

A retomada econômica do país vizinho começou a se desenhar com a posse do presidente Mauricio Macri, em 2016. Após anos de severa crise política e econômica, ele restabeleceu o diálogo do país com os investidores e está arrumando a casa. Macri combateu a inflação, resolveu as questões cambiais e tomou medidas pró-mercado, como a redução de impostos sobre os ganhos de capital e a flexibilização de entradas e saídas de recursos no país. O resultado é que a Argentina voltou a crescer e, onde há crescimento, no cenário atual de liquidez global, não haverá de faltar recursos.

Apesar de o mercado estar mais aquecido por lá do que no Brasil neste momento, profissionais de bancos de investimento descartam uma competição por investidores entre os dois países. Na verdade, o Brasil até já participou da festa: a Camargo Corrêa era parte da holding controladora da Loma Negra; e a empresa de viagens online Despegar, outra novata, tem boa parte de suas receitas em seu braço brasileiro, a Decolar.

Para Roderick Greenless, diretor de banco de investimentos do Itaú BBA, o problema do Brasil no quesito ofertas é mais uma “questão nossa” do que qualquer problema de concorrência. “Estamos em ano eleitoral, houve a questão da reforma da Previdência. São questões nossas. Já a Argentina vive cenário oposto, de crescimento econômico e com um presidente fazendo o que os investidores acham que tem de ser feito”, diz.

Emerson Leite, do Credit Suisse, acredita que, eventualmente, ofertas do Brasil e da Argentina podem concorrer pelo investidor internacional se saírem ao mesmo tempo e forem de empresas do mesmo segmento. “O investidor global vê a América Latina como um ativo único, então um caso como esse pode dividir atenções. Mas esses serão apenas casos específicos”, diz. Ambos afirmam que o Brasil tem uma bolsa muito maior e mais desenvolvida do que a Argentina, que no governo Macri também partiu para uma integração.

Desde 2016, a bolsa argentina é a BYMA, que integrou bolsas regionais, a instituição depositária e abriu capital. Ainda assim, negocia cerca de R$ 5 milhões por dia em média, enquanto a brasileira movimenta R$ 10 bilhões. Não há uma indústria desenvolvida de fundos de investimento na Argentina, porque os anos de paridade cambial com o dólar levaram os poupadores a enviar seus recursos para investir fora do país, via offshores.

“Uma de nossas metas mais importantes é repatriar o capital local que hoje está negociando em Nova Iorque”, afirma Matias Lara Mateos, diretor de relações com investidores da BYMA. “Sabemos que algumas de nossas companhias não conseguem acessar o volume de capital que desejam em nossa bolsa. Mas é nosso dever criar condições para que isso aconteça.”

Entre outras medidas, a BYMA está criando um segmento especial de governança, copiando, como já declarou seu presidente, o Novo Mercado da bolsa brasileira. “Esperamos repetir o sucesso que o Brasil teve”, afirma Mateos. Enquanto o dinheiro não volta e o estrangeiro não vem, a opção das empresas é ir buscar investidores em seu país, mas se for preciso também em Nova Iorque, por meio de duplas listagens. Empresas com captações menores como o Laboratorios Richmond e a Molino Canuelas, ou a agrícola Inversora Juramento, ficaram só na BYMA. Loma Negra e Despegar também foram para Nova Iorque.

A imprensa local fala em operações da Genneia, que atua na geração de energia renovável, e de empresas já abertas, como a Central Puerto e a TGLT.

Cálculos da InvertirOnline.com estimam que ao final dos seis anos do governo Macri, mantido o ritmo atual, haverá 30 novas empresas na bolsa argentina, em ofertas que somarão US$ 15 bilhões. Eles estimam ofertas na casa dos US$ 300 milhões, em média.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!