Taxas de fundo de renda fixa já comem 36% do lucro do pequeno investidor – Jornal do Comércio

O declínio da taxa básica de juros (Selic) nos últimos dois anos e meio derrubou a rentabilidade dos fundos de renda fixa. Apesar disso, as taxas de administração cobradas nesses produtos permaneceram praticamente inalteradas, sobretudo para quem tem pouco dinheiro para aplicar. Em 2016, para o pequeno investidor, as taxas corroíam R$ 2 a cada R$ 10 de lucro. Já em 2017, apesar de terem baixado, abocanharam mais de um terço dos ganhos (R$ 3,60 a cada R$ 10) – tornando até a poupança mais vantajosa.

Segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), a taxa média de administração dos fundos de renda fixa de dezembro de 2016 a dezembro de 2017 ficou praticamente estável – recuou de 1,02% para 1,01% ao ano, embora a Selic, que baliza esses investimentos, tenha caído praticamente à metade no período, de 13,75% para 7% ao ano.

Já sob a perspectiva do pequeno investidor, com tíquete de entrada de até R$ 1 mil, as taxas desses fundos recuaram de 2,68% para 2,55% ao ano. Mas, o que parece boa notícia esconde um grande achatamento. Segundo cálculos da pesquisadora do Ibre-FGV e planejadora financeira Myrian Lund, em 2016, a taxa de 2,68% ao ano corroía, em média, 19,49% da rentabilidade dos fundos. Já no ano passado, apesar de ter diminuído, ela passou a corroer, em média, 36,43% dos ganhos das aplicações.

“É muita coisa. As taxas de administração não caíram na mesma proporção que a Selic, e quem paga essa conta é o pequeno investidor”, afirma Myrian. “Ele só consegue taxas altas. E taxas de administração acima de 1%, na renda fixa, não valem a pena”, observa.

Assim, os fundos de renda fixa agora pagam ao pequeno aplicador, em média, menos do que a própria caderneta de poupança. Ainda segundo cálculos da planejadora, com a Selic atual, de 6,75% ao ano, um fundo com taxa de 2,55% ao ano rende ao investidor 62,22% do CDI (taxa que anda de mãos dadas com a Selic). Caso aplicasse os mesmos recursos na caderneta de poupança, o investidor teria um retorno de 82,40% do CDI.

O diretor da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel Ribeiro de Oliveira, acredita que, nesse cenário, as instituições financeiras terão de se movimentar. “Os bancos terão de reduzir as taxas, com o risco de perderem clientes se não o fizerem”, diz.

A queda da rentabilidade, porém, ainda não foi suficiente para chacoalhar o mercado e espantar o investidor. Segundo a Anbima, de 2015 para 2017, o patrimônio líquido dos fundos de renda fixa cresceu 26%, embora a rentabilidade média das maiores categorias desses produtos tenham recuado de mais de 13% ao ano para um patamar inferior a 9%. “Há um movimento de resgates desses fundos, mas ainda é muito pequeno. Boa parte das pessoas fica na zona de conforto e não repara que seus ganhos estão diminuindo”, diz Myrian.

Segundo especialistas, a alternativa do pequeno investidor nesse cenário é procurar fundos e títulos de bancos menores, distribuídos por corretoras independentes – que praticam taxas mais baratas. “Mas, é preciso prestar atenção no caso da reserva de emergência, que deve estar em aplicações que tenham liquidez – ou seja, recursos que possam ser resgatados a qualquer momento”, diz a pesquisadora da FGV. “Para isso, uma opção é o Tesouro Selic.”

Os grandes bancos, aos poucos, começam a adotar medidas nessa direção, embora ainda muito concentradas no segmento de alta renda. Gilberto Abreu, diretor de investimentos do Santander, afirma que, no ano passado, o banco diminuiu as taxas de alguns fundos de renda fixa que estavam no patamar de 1% ao ano para 0,7% ou até 0,5%. No entanto, para aplicar nesses fundos, é necessário ter ao menos R$ 100 mil no banco.

Outra estratégia foi diminuir o tíquete de entrada de alguns desses produtos. “Fundos que antes eram restritos a investidores qualificados, com mais de R$ 1 milhão, agora estão acessíveis para quem tem R$ 300 mil, por exemplo.” Ele afirma que esse movimento irá continuar este ano. “Devemos ver margens mais apertadas para que o cliente tenha a rentabilidade dele”, destaca.

O Banco do Brasil, em nota, afirmou que “implementou a revisão de seu portfólio de fundos renda fixa, voltados para o público de varejo e de varejo de alta renda, com o objetivo de ampliar o acesso de investidores a produtos com taxas menores e assim, proporcionar ao cliente a oportunidade de melhor rentabilizar seus recursos.” Procurados, Bradesco, Itaú, Caixa não comentaram.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!