Taxas futuras oscilam perto da estabilidade antes do Copom e Fed – Jornal do Comércio

Os juros futuros iniciaram a semana perto da estabilidade. Logo na abertura, os principais vencimentos exibiram viés de alta e, há pouco, mostravam viés de baixa. Às 9h36min desta segunda-feira (19) o DI para janeiro de 2021 estava em 8,20%, ante máxima em 8,24%, de 8,21% no ajuste de sexta-feira (16). O DI para janeiro de 2023 estava em 9,07%, ante máxima em 9,11%, de 9,08% no ajuste de sexta-feira.

O comportamento das taxas condiz com a expectativa do investidor sobre a comunicação do Copom, que anuncia decisão sobre a taxa Selic nesta quarta-feira (21) enquanto o mercado global aguarda a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) no mesmo dia, segundo o operador da renda fixa da Quantitas, Mateus Gallina.

Ele afirma que, de modo geral, o Relatório de Mercado Focus não trouxe novidades. “A projeção para o IPCA de 2019, que é o mais relevante neste momento, não teve alteração (+4,20%)”, disse Gallina. Já o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), que recuou 0,56% em janeiro ante dezembro, veio dentro do esperado e melhor que a mediana, que indicava queda de 0,80%, segundo o Projeções Broadcast.

A expectativa com o Fed coloca o dólar mais forte ante outras moedas emergentes e ligadas a commodities e os olhares também estão na reunião do G-20, que começa nesta segunda-feira em Buenos Aires. O IBC-Br caiu 0,56% em janeiro ante dezembro de 2017, com ajuste, vindo melhor que a mediana projetada (-0,80%) e dentro do intervalo estimado por analistas consultados pelo Projeções Broadcast (-2,6% a +0,2%). Já a Focus trouxe revisão para baixo do IPCA para 2018 de 3,67% para 3,63%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!