Bolsa cai 1,15%, e dólar sobe – Jornal do Comércio

O mau humor dos mercados acionários externos contaminou a sessão de negócios ontem, e o Ibovespa registrou seu quinto pregão de queda consecutivo, sem ter força para manter o patamar dos 84 mil pontos. O índice à vista fechou em baixa de 1,15%, aos 83.913 pontos.

As bolsas na Europa encerraram com perdas, assim como em Wall Street. De acordo com analistas, o sentimento de cautela com relação ao que poderá vir no comunicado do comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) sobre a intensidade do aperto do juro, aliado às notícias negativas sobre eventual investigação do Facebook pelo Congresso dos EUA azedou o dia.

Entre as blue chips, a Vale ON refletia não apenas esse movimento, mas também era influenciada pela queda de mais de 3% do minério de ferro no porto de Qingdao, na China. As ações se desvalorizaram 2,84%. No caso da Petrobras, embora as cotações do petróleo não tenham registrado forte queda perto do fechamento, os papéis ON e PN recuaram 3,34% e 2,33%, respectivamente.

A expectativa dos investidores pela decisão de política monetária nos Estados Unidos, amanhã, manteve o dólar valorizado ante moedas de países emergentes e exportadores de commodities ontem. Por aqui, a divisa operou em alta desde a abertura, mas voltou a respeitar o teto informal dos R$ 3,30, nível de preço considerado atrativo para a venda.

Nesse cenário, a cotação do dólar à vista oscilou em um pequeno intervalo, de R$ 0,012, e fechou a R$ 3,2861, com ganho de 0,25%. negócios somaram US$ 906 milhões, segundo dados da B3.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!