Moody’s diz que crescente protecionismo deve preocupar siderurgia no Brasil – Jornal do Comércio

O setor siderúrgico do Brasil deve continuar a passar por uma reação em 2018, em meio a um aumento na demanda, mas o crescente protecionismo pode ser uma preocupação maior mais adiante, na avaliação da Moody’s. A agência aponta em nota que a produção de aço bruto no Brasil está atualmente em níveis acima de 2012 e 2013, com a melhora nas vendas domésticas e na demanda.

O ambiente macroeconômico “benigno” permitirá que as maiores siderúrgicas do País, Gerdau, Usiminas e CSN, melhorem seu mix de produtos e direcionem volumes maiores para o mercado doméstico, afirma a Moody’s.

“No geral, nós vemos um ambiente mais benigno para o setor de aço no Brasil”, afirma Barbara Mattos, vice-presidente da agência. Mais adiante, contudo, práticas comerciais protecionistas ameaçam as exportações de aço brasileiras para os EUA em 2018 e para além disso, enquanto o aumento da competição doméstica no Brasil também pode levar exportações para outros países com mercados mais abertos, aponta a Moody’s.

Ela espera que as tarifas americanas tenham “implicações mistas” para as maiores siderúrgicas nacionais, com maior competição doméstica de importações para a Usiminas e a CSN e aumento nos custos para as operações da CSN nos Estados Unidos. Elas devem, porem, beneficiar a Gerdau, que já consegue uma receita significativa com as operações nos EUA, diz a agência.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!