Brasil articula com empresas dos EUA para derrubar sobretaxa de 25% ao aço – Jornal do Comércio

O Brasil está reforçando sua articulação com as empresas privadas norte-americanas consumidoras de aço para que elas ingressem com pedidos de exclusão dos produtos brasileiros da sobretaxa de 25% imposta pelos Estados Unidos em suas importações. “A articulação junto aos privados é fundamental para o êxito”, disse o secretário de Comércio Exterior, Abrão Árabe Neto.

O Departamento de Comércio dos EUA publicou na segunda-feira (19) um detalhamento das regras pelas quais será possível pedir a exclusão de produtos de aço da sobretaxa. As normas se aplicam também às compras de alumínio, sobre os quais incidirá uma taxa adicional de 10%.

Pela regulamentação, somente pessoas e empresas americanas usuárias dos produtos poderão ingressar com pedidos de exclusão. Após apresentado o pedido, ele será tornado público e será possível contestar a necessidade de isentar aquele bem da sobretaxa em até 30 dias.

O governo americano espera dar respostas em 90 dias. As exclusões serão decididas por produto e por empresa. Mas a administração pode, se achar necessário, fazer liberações mais amplas. A exceção vale pelo prazo de um ano.

A expectativa é que os compradores de aço brasileiro nos EUA ingressem com os pedidos o quanto antes. Para conseguir a exclusão, é preciso demonstrar que a produção local é insuficiente ou que o produto disponível não atende a requisitos de qualidade necessários. Existe também a hipótese de obter a exclusão sob o argumento da segurança nacional.

O regulamento explica que existirá um outro trâmite à parte, no qual a sobretaxa poderá ser negociada de governo a governo. O Brasil já enviou duas cartas para Washington, uma para o secretário de Comércio, Wilbur Ross, e outra para o representante de Comércio, Robert Lighthizer. Mas, até o momento, não houve sinal para abertura de uma negociação bilateral.

O governo brasileiro acredita ter fortes argumentos para liberar as exportações brasileiras da sobretaxa. O principal deles é que 80% das vendas para os EUA são de aço semiacabado, que é matéria-prima para as siderúrgicas locais. Ou seja, as indústrias são complementares. Ainda mais porque o Brasil importa perto de US$ 1 bilhão em carvão siderúrgico americano.

No ano passado, as vendas de aço para os EUA totalizaram US$ 2,6 bilhões. Em volume, o País é o segundo maior fornecedor do produto para aquele mercado.

Na segunda-feira, o presidente Michel Temer recebeu o primeiro-ministro da Coreia, Nak-Yon Lee, e ambos falaram sobre uma possível ação conjunta contra a sobretaxa. Segundo se comenta nos bastidores, os dois países podem integrar uma coalizão de países que questionarão a medida na Organização Mundial do Comércio (OMC).

O Brasil, porém, aposta suas fichas na ação das empresas privadas e na negociação governo a governo. A OMC só será procurada se ambas as linhas falharem.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!