Brasil pode recorrer à OMC contra barreiras impostas ao comércio de frango pela UE – Jornal do Comércio

Se as negociações bilaterais fracassarem, o Brasil não descarta a hipótese de levar a União Europeia à Organização Mundial do Comércio (OMC) por exigências sanitárias tão elevadas que acabam funcionando como uma barreira ao comércio do frango. Foi o que informou na terça-feira (20) o ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

Uma delegação parte nesta quinta-feira (22) para Bruxelas para expor ao órgão europeu de controle sanitário as medidas adotadas desde a Operação Carne Fraca, de março do ano passado. “As exigências aumentaram e estou indo para essa reunião muito seguro”, disse o secretário de Defesa Agropecuária, Luis Eduardo Rangel.

Segundo o secretário, o fortalecimento dos controles sobre a salmonela no frango no Brasil é algo sem paralelo no mundo. “Vamos dar todos os esclarecimentos solicitados pelos europeus e nosso posicionamento sobre o caso específico da Operação Trapaça”, disse. Essa operação flagrou casos de manipulação de resultados laboratoriais de controle de salmonela.

Os fatos investigados, porém, são anteriores à Carne Fraca e o governo está convencido de que as providências tomadas desde então afastam o problema. Ainda assim, na semana passada, o Brasil suspendeu unilateralmente as exportações de frango de algumas unidades da BRF para a Europa. Segundo Rangel, foi para criar um clima mais favorável aos entendimentos no nível técnico.

Desde a Carne Fraca, porém, o Brasil trava uma queda de braço com a Europa em torno do controle sobre a salmonela. Em novembro passado, Maggi enviou uma carta à comissária de Comércio, Cecilia Malmstrom, questionando os critérios aplicados na Europa.

O Brasil questiona por que os europeus usam critérios diferentes para o frango fresco e o frango fresco com até 2% de sal. No primeiro, é tolerada a presença de praticamente todos os 2.500 tipos de salmonela conhecidos, com exceção de duas: a Typhimurium e a Enteritidis. Já no frango com sal, não é tolerado nenhum tipo de salmonela.

Ocorre que o Brasil exporta principalmente a carne de frango salgada, especificamente o peito, matéria-prima para a indústria de alimentos europeia. Isso porque, depois de uma batalha na OMC, o País conquistou o direito de exportar 170 mil toneladas anuais de frango salgado. De frango sem sal, o permitido são 14 mil toneladas. Barreiras comerciais baseadas em controles sanitários precisam ter comprovação científica e o Brasil pediu a comprovação da existência deles. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!