Dólar atinge maior valor no ano, e Ibovespa sobe 0,30% – Jornal do Comércio

O dólar encostou em R$ 3,31 ontem e atingiu o maior valor no ano um dia antes do fim da reunião do Fed (Federal Reserve, o banco central norte-americano) que deve elevar os juros nos Estados Unidos pela primeira vez no ano. Já a bolsa brasileira interrompeu série de cinco quedas e subiu, com ajuda de Petrobras e Vale.

No mercado à vista, o dólar fechou cotado a R$ 3,3084, em alta de 0,68%. É o maior valor da moeda americana desde 28 de dezembro – última sessão de negócios de 2017 -, quando a cotação terminou em R$ 3,3155. Os negócios no mercado à vista somaram US$ 770 milhões, de acordo com a B3.

O Ibovespa, índice das ações mais negociadas, subiu 0,30%, para R$ 84.163 pontos. O volume financeiro negociado foi de R$ 8,1 bilhões. Em março, a média diária está em R$ 11,7 bilhões.

A alta do dólar na sessão ocorreu em linha com o exterior. Das 31 principais moedas do mundo, a divisa americana ganhou força ante 24.

O dólar refletiu a expectativa com o aguardado aumento de juros pelo Fed. A taxa deve ser elevada em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 1,5% e 1,75%.

O aumento ocorre em meio à recuperação da atividade econômica dos Estados Unidos, com um mercado de trabalho sólido, desemprego no menor patamar em 17 anos e uma inflação que ainda está levemente distante da meta de 2% ao ano estabelecida pelo Fed.

A alta tende a enxugar dinheiro hoje aplicado não só em bolsas, mas também em países emergentes, como o Brasil. Isso ocorre porque os investidores buscam o refúgio dos títulos de dívida dos EUA, considerados um dos mais seguros do mundo.

O Banco Central (BC) vendeu 14 mil contratos de swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). O BC rola os contratos com vencimento em abril. Até agora, já rolou US$ 4,9 bilhões dos US$ 9,029 bilhões que vencem no próximo mês.

Das 64 ações do Ibovespa, 37 caíram, 25 subiram e duas fecharam estáveis. A maior alta foi registrada pelos papéis da Qualicorp, que subiram 4,82%.

As siderúrgicas também fecharam em alta. A Gerdau se valorizou 4,72%, e a Metalúrgica Gerdau avançou 3,49%. A Usiminas teve alta de 3,30%, e a CSN ganhou 1,94%.

Entre as baixas, a EcoRodovias perdeu 3,01%. A Natura se desvalorizou 2,52%, e a Hypera (ex-Hypermarcas) caiu 2,17%.

As ações da Petrobras ajudaram a sustentar a alta do Ibovespa nesta sessão, com o avanço dos preços do petróleo por causa de tensões no Oriente Médio e a possibilidade de maiores quedas na produção da Venezuela ajudaram a amenizar o impacto da crescente produção dos Estados Unidos. Os papéis mais negociados da Petrobras subiram 1,10%, para R$ 21,16. As ações ordinárias se valorizaram 1,33%, para R$ 22,89.

A mineradora Vale avançou 1,22%, para R$ 41,60, apesar da queda do preço do minério de ferro. No setor financeiro, o Itaú Unibanco se valorizou 0,32%. As ações preferenciais do Bradesco caíram 0,11%, e as ordinárias perderam 0,17%. O Banco do Brasil subiu 0,39%, e as units – conjunto de ações – do Santander Brasil ganharam 0,83%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!