Dólar cai 1,28% após Fed manter sinalização de gradualismo nos juros – Jornal do Comércio

O desfecho da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) reforçou o movimento de desmontagem de posições compradas em dólar e a moeda americana ampliou o ritmo de queda ante o real no período da tarde desta quarta-feira (21). A leitura de que o Banco Central dos Estados Unidos deverá manter o gradualismo em 2018 enfraqueceu a moeda americana, embora tenha deixado espaço para a cautela no que diz respeito a um maior endurecimento da política monetária americana nos anos subsequentes.

Ao final dos negócios, o dólar à vista teve queda de 1,28%, cotado a R$ 3,2661. Com isso, devolveu com folga as altas das duas sessões anteriores, geradas pelos temores de um Fed mais “hawkish” (duro). Os negócios no mercado à vista somaram US$ 1,168 bilhão. No mercado futuro, a divisa para liquidação em abril era cotada a R$ 3,2705 às 17h32, com perda de 1,31%.

O dólar já havia iniciado o dia em queda, devolvendo parte dos ganhos da véspera, quando havia atingido o maior valor do ano, acima dos R$ 3,30. A tendência foi mantida em linha com o cenário internacional, mas ganhou fôlego rápido e constantemente após a manifestação do Fed, renovando mínimas até os minutos finais de negociação.

O Comitê de Política Monetária (FOMC) elevou os juros dos Fed funds em 0,25 ponto porcentual, conforme o esperado. No comunicado pós reunião e na manifestação do presidente do Fed, Jerome Powell, analistas viram sinalização de que o crescimento econômico ainda é moderado, sem grandes riscos de inflação. Porém, no gráfico de pontos, viram divisão dos dirigentes e possibilidade de um Fed mais duro a partir de 2019.

“As sinalizações de Jerome Powell não foram ruins, uma vez que ele voltou a falar em gradualismo. Mas o que chamou a atenção foi o gráfico de pontos, que mostrou os dirigentes bastante divididos. Creio que a possibilidade de quatro altas de juros este ano ficou mais fácil agora”, disse José Faria Junior, diretor da Wagner Investimentos.

Para Faria Junior, o mercado vai continuar bastante focado em inflação e em seus indutores, como os dados dos salários dos trabalhadores americanos revelados pelo payroll. Falando especificamente sobre o real, o analista acredita que a tendência do dólar no médio prazo permanece sendo de baixa, ainda tendo o cenário externo como principal “driver”. Um reforço na trajetória de baixa pode ser o noticiário político. “Se os recursos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva forem negados, o dólar pode voltar bem, mas será algo pontual. O principal motor ainda é externo”, afirmou.

Para Roberto Serra, sócio e gestor da Absolute Invest, o dólar ante o real deve voltar a oscilar no intervalo entre R$ 3,20 e R$ 3,30. Isso porque a comunicação do Fed não chegou a surpreender, ficando “no meio do caminho” entre o tom suave e o mais rigoroso.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!