EUA suspendem sobretaxas de aço e alumínio do Brasil para negociar – Jornal do Comércio

O presidente Michel Temer afirmou nesta quarta-feira (21) que o governo dos Estados Unidos suspendeu a sobretaxação aos produtores brasileiros de aço e alumínio até que os dois países concluam uma negociação sobre as novas tarifas aplicadas ao setor.

Nos EUA, o representante do Comércio dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, confirmou que o governo americano vai começar a conversar com o Brasil para negociar uma eventual redução ou isenção das tarifas de importação sobre o aço, anunciadas pelo presidente Donald Trump. “Outro país com que vamos começar a conversar em breve é o Brasil”, declarou Lighthizer, durante audiência no Congresso. É a primeira vez que o país é mencionado pelo governo americano na lista de possíveis exclusões.

Durante reunião do Conselhão, Temer leu uma nota em que a Casa Branca comunica ao governo brasileiro a abertura de negociações sobre as tarifas. A medida foi anunciada pelo presidente como uma “boa notícia”. De acordo com ele, o governo americano disse que o Brasil é um dos países por quem começarão as negociações. “As novas alíquotas não se aplicarão enquanto estivermos conversando sobre o tema”, disse o peemedebista ao ler a nota.

O comunicado ocorre um dia depois de empresários do setor terem se reunido com Temer para tratar do assunto. Na reunião, eles pediram que o governo brasileiro entrasse em contato com os EUA para abrir uma negociação. No início do mês, o presidente americano, Donald Trump, anunciou sobretaxa ao aço e alumínio importados pelos Estados Unidos.

A medida prejudicava diretamente o comércio exterior do Brasil, um dos principais exportadores desse produto. As tarifas -que agora podem ser negociadas no caso brasileiro- passarão de até 0,9% para 25% sobre o aço e de 2% para 10% sobre o alumínio. A justificativa de Trump é a suposta necessidade de preservação da segurança nacional.

Diante do anúncio, o governo Temer estudava medidas para tentar contornar as sobretaxas de Trump, como por exemplo o apelo à Organização Mundial do Comércio (OMC), mas nenhuma ação concreta havia sido anunciada. Após o anúncio de Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, lembrou que conversou com o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, nesta terça-feira (20), em Buenos Aires.

“Fico feliz com isso, presidente, porque ontem (terça) tivemos um diálogo com o secretário do Tesouro Americano, Steven Mnuchin, onde eu apontei a ele que no caso do Brasil não, faz sentido essa sobretarifa, por várias razões. Uma delas é que o brasil produz tipos de aço que são usados pela indústria de aço americana.”

Meirelles afirmou que uma sobretaxa ao aço brasileiro vai prejudicar a indústria americana e o consumidor daquele país. “Não existe, no caso brasileiro, nenhum indicio de qualquer prática anticompetitiva”, reforçou Meirelles.

Na semana passada, em tentativa de disputar o protagonismo no tema com o Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), patrocinou a edição de um decreto legislativo que, se aprovado, passaria a taxar toda a importação de etanol americano que entrasse no Brasil, como uma forma de retaliar os americanos.

O objetivo de Maia era aprovar o decreto no Congresso caso os EUA mantivessem a decisão de impor a sobretaxa à importação de aço e alumínio do Brasil, mas deve suspender os planos com a abertura de diálogo por parte do governo americano. Além do Brasil, foram citados México, Canadá, Argentina, Coreia do Sul, Austrália e União Europeia, como países que já iniciaram as negociações com os EUA.

As conversas devem durar até o final de abril, segundo Lighthizer. A despeito das negociações, porém, as tarifas, de 25% sobre o aço importado e 10% sobre o alumínio, passam a valer nesta sexta (23) -e terão impacto sobre a indústria siderúrgica brasileira.

Os EUA são o maior comprador do aço do Brasil, que exportou US$ 2,6 bilhões para o país (cerca de R$ 8,5 milhões) no ano passado. Isso equivale a quase um terço das vendas do produto. Para o Instituto Aço Brasil, a sobretaxa de 25% tem o potencial de inviabilizar as exportações brasileiras para os EUA, em função do aumento de custo.

Apesar de admitir a possibilidade de “disrupção” do mercado, Lighthizer afirmou que apenas México e Canadá, por enquanto, ficam livres das tarifas -ao menos, enquanto durarem as renegociações do Nafta (acordo de comércio da América do Norte).

Para todos os demais, as sobretaxas de 25% e 10% passam a valer nesta sexta. O embaixador reforçou que a decisão final cabe ao presidente Trump.

As tarifas foram decretadas pelos EUA sob o argumento da segurança nacional -que, segundo Lighthizer, é “definido de forma ampla” pelo presidente Trump. O republicano inclui a segurança econômica e a sobrevivência da indústria americana de aço e alumínio como um de seus fatores, e mencionou em discurso que, “se você não tem aço, você não tem um país”.

Já o Brasil argumenta que o aço exportado para os americanos é complementar à indústria dos EUA, já que é semiacabado e é transformado, na sequência, pelas siderúrgicas locais. Comitivas do governo e de empresas brasileiras fizeram lobby no Congresso e na administração Trump para tentar reverter a medida. As negociações, agora, são conduzidas diretamente com Lighthizer.

O país também lembra que é um parceiro dos EUA na área militar, que não tem déficit comercial com o país e que importa carvão americano para suas siderúrgicas, o que torna o comércio entre as duas nações ainda mais sinérgico.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!