Países cobram explicações do Facebook sobre uso de dados – Jornal do Comércio

O Reino Unido está investigando se o Facebook fez o suficiente para proteger os dados, depois que a denúncia de que uma consultoria política com sede em Londres, contratada por Donald Trump, acessou de forma indevida informações de 50 milhões de usuários da rede social para influenciar a opinião pública. As ações do Facebook recuaram quase 7% na segunda-feira, reduzindo em quase US$ 40 bilhões o valor de mercado da empresa. Ontem, as ações da empresa fecharam em queda de 4,41%.

Elizabeth Denham, chefe da Comissão de Informação britânica, está buscando uma autorização para fazer buscas nos escritórios da consultoria Cambridge Analytica, depois que uma denúncia revelou que a empresa colheu informações privadas de milhões de pessoas para apoiar a campanha presidencial norte-americana de Trump em 2016.

Parlamentares dos Estados Unidos e da Europa exigiram explicações de como a empresa de consultoria obteve acesso aos dados em 2014 e por que o Facebook não informou seus usuários, levantando questões mais amplas da indústria sobre a privacidade do consumidor.

“Estamos analisando se o Facebook garantiu e protegeu informações pessoais na plataforma; se, quando descobriu sobre a perda dos dados, agiu de forma robusta; e se as pessoas foram ou não informadas”, disse Elizabeth à BBC Radio.

A Comissão Federal de Comércio dos EUA está investigando o Facebook. O presidente republicano do Comitê de Comércio, Ciência e Transporte do Senado dos EUA enviou uma carta ao presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, solicitando informações sobre o uso de dados de usuários do Facebook.

“A possibilidade de que o Facebook não tenha sido transparente com os consumidores ou não tenha podido verificar se os desenvolvedores de aplicativos de terceiros são transparentes com os consumidores é preocupante”, informou a carta, que também foi enviada a Nigel Oakes, presidente executivo da filial SCL de Cambridge Analytica.

A ministra da Justiça alemã, Katarina Barley, convocou o Facebook a assumir a responsabilidade por violações das leis de privacidade de dados. Katarina disse que a empresa precisava ainda explicar como protegeria melhor a privacidade de seus usuários no futuro, observando que as pessoas precisavam saber o que seria feito de seus dados antes de autorizarem seu uso. “O Facebook deve aderir a esta base legal. É hora de a empresa assumir a responsabilidade clara”, afirmou.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!