Preço do chocolate cai 8% e venda de Páscoa deve ser a melhor em cinco anos – Jornal do Comércio

A inflação baixa, especialmente por causa da queda de preço do chocolate, deve impulsionar as vendas dos itens de Páscoa neste ano.

Nas contas da Confederação Nacional do Comércio (CNC), a data deve movimentar R$ 2,2 bilhões em 2018 e registrar um crescimento de 3,5%. Se a previsão se confirmar, será a maior variação de vendas desde 2013. Na Páscoa do ano passado, houve um pequeno crescimento, de 1,1%, depois de dois anos seguidos no vermelho por causa da recessão.

“O que está por trás dessa recuperação é a inflação baixa”, diz o economista chefe da CNC, Fabio Bentes. Os seus cálculos se basearam no desempenho do comércio na data, nas projeções de crescimento de vendas do varejo para este ano e no comportamento dos preços de uma cesta de Páscoa.

A cesta, baseada em dados apurados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo -15 do IBGE, a prévia da inflação oficial, inclui 12 itens, entre produtos e serviços consumidos na Páscoa. O grande destaque deste ano é a queda de 8% no preço do chocolate, acumulada em 12 meses até fevereiro no IPCA-15. “É a menor variação da cotação chocolate desde 2006”, ressalta Bentes

Ele explica que o dólar estável contribuiu para a deflação do chocolate nos últimos 12 meses. O câmbio pesa no preço do chocolate porque a principal matéria prima do produto, o cacau, é cotada em dólar. Bentes lembra também que, por causa do aumento da tributação sobre o chocolate, os preços do produto subiram. Em 2016, o chocolate ficou 13,3% mais caro e em 2017 a alta foi de 14,6%. Neste ano, esse efeito desapareceu.

Em 12 meses até fevereiro deste ano, a inflação da cesta de produtos e serviços da Páscoa, calculada pela CNC, foi de 5,1%. Bentes explica que, embora inflação de Páscoa de 2018 não seja tão baixa como a de 2017, que foi de 4,5%, o carro chefe de vendas da data, que é o chocolate, está em deflação. E esse é o diferencial deste ano, que deve impulsionar as vendas.

Outro ponto de destaque do estudo da CNC deste ano é o aproveitamento dos trabalhadores temporários. Nas contas da do economista, foram contratados 10,6 mil temporários para data este ano, praticamente o mesmo número da Páscoa do ano passado (10,5 mil).

Com a perspectiva de crescimento de vendas do varejo para este ano de 5,2%, segundo a CNC, ante 4% em 2017, Bentes projeta que a absorção de trabalhadores temporários será maior em 2018 e deve atingir 7,7%. “A taxa de absorção dos temporários em 2018 é maior em três anos.” Ele lembra que, em termos de aproveitamento da mão de obra, 2016 foi o pior ano desde 2010, quando 6,7% dos temporários se tornaram efetivos.

Além da melhora do cenário econômico, o economista da CNC acredita que a reforma trabalhista deve dar um “empurrãozinho” na absorção de temporários este ano. Isso porque ela reduziu o custo da formalização do emprego.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!