Previsões do mercado vão convergir para crescimento de 3% do PIB, diz Meirelles – Jornal do Comércio

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira (21) que, com o tempo, as previsões dos analistas do mercado em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e abertura de postos de trabalho vão convergir para as projeções do Ministério da Fazenda. Ele fez a afirmação ao ser perguntado sobre quais previsões estariam erradas, já que ele projeta crescimento de 3% do PIB em 2018 e a abertura de 2,5 milhões de novos empregos, sendo que o mercado trabalha com abertura de 1 milhão de empregos e PIB de 2,8%.

Meirelles explicou que no mercado de trabalho é preciso considerar os fatores que levam à pressão sobre a População Economicamente Ativa (PEA). Segundo ele, uma coisa é o número de postos de trabalho que são abertos numa economia e outra é a taxa de desemprego.

De acordo com o ministro, se são criados 2,5 milhões de novos empregos e mais 1,5 milhão de pessoas que não estavam procurando emprego passam a procurar trabalho a impressão fica quando se quando se olha para a taxa de desemprego é a de que foram criados 1 milhão de novos postos.

Para Meirelles, a tendência é a de que as pessoas desempregadas, conforme forem vendo que a economia está crescendo e que novas vagas estão sendo abertas, comecem a sair para procurar empregos. Essas pessoas que não eram consideradas desempregadas pelo IBGE, disse o ministro, passam a ser contadas como desempregadas.

O ministro da Fazenda voltou a afirmar que teve, na terça, em Buenos Aires, uma conversa importante com secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, sobre a questão da sobretaxação nas importações de aço pelos Estados Unidos. Os dois se encontraram na reunião do G-20, que foi realizada capital portenha.

“Mostrei ao secretário que a sobretaxa do aço é prejudicial para o Brasil e para eles também”, disse Meirelles. Ele contou ter explicado ao secretário norte-americano que o aço brasileiro embarcado para pelo Brasil é acabado em território americano por empresas norte-americanas. “Mostrei que não há nos EUA preocupações com o Brasil com relação a preços injustos ou dumping”, afirmou o ministro brasileiro.

Meirelles disse que recebeu de Mnuchin a promessa de que levaria ao governo de Washington as posições do Brasil. Perguntado sobre se o secretário teria estabelecido um prazo para endereçar respostas ao governo brasileiro, ele afirmou que não, até porque esse tipo de decisão não é tomada pelo Tesouro dos Estados Unidos.

O ministro da Fazenda afirmou que levará nesta quarta ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), o chamado Conselhão, um relatório sobre como anda a economia brasileira e que mostrará aos membros do grupo os projetos prioritários, na visão, da sua pasta. “Vou levar um relatório sobre a economia brasileira e mostrar os projetos prioritários na nossa visão”, disse Meirelles.

Perguntado sobre quais seriam os projetos que na visão da Fazenda são os prioritários, o ministro destacou, na lista dos 15 projetos prioritários lançados pelo governo – a divulgação se deu tão logo ficou estabelecido o adiamento da reforma da Previdência após a intervenção federal na Segurança Pública do Rio -, a reoneração da folha de pagamento das empresas, o cadastro positivo e a simplificação tributária.

Meirelles fez palestra nesta quarta para 6 mil gerentes do Banco do Brasil que se reuniram no Allianz Parque, a arena do Palmeiras, na zona oeste da capital paulista.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!