Temer quer crédito da Caixa para estados – Jornal do Comércio

O presidente Michel Temer pediu para que a advogada-geral da União, a ministra Grace Mendonça, tente resolver um novo impasse entre o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, e o conselho de administração da instituição, que é comandado por Ana Paula Vescovi, que também é secretária do Tesouro Nacional. É a segunda vez que Temer intercede em favor de Occhi.

No final do ano passado, o presidente tentou acelerar decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a possibilidade de uso de recursos do Bndes ou do FGTS na capitalização do banco. O conselho da Caixa, porém, intercedeu, por ser contrário – e sua decisão prevaleceu. Desde o início deste ano, o conselho ganhou mais poderes com um novo estatuto, que só foi aprovado com o aval do próprio presidente ao Ministério da Fazenda.

Desta vez, porém, Temer se coloca ao firme ao lado de Occhi. Quer que a AGU encontre uma forma de derrubar a decisão do conselho da Caixa, que levou o banco a anunciar, no final de janeiro, o fim de empréstimos para estados e municípios por possíveis problemas nas garantias. A disputa de forças entre o conselho e o banco ocorre no momento em que Temer reúne seu capital político para tentar a reeleição. Occhi pertence aos quadros do PP (Partido Progressista), importante aliado do presidente.

Os empréstimos da Caixa financiam basicamente obras em redutos eleitorais da base de apoio de Temer. Para a AGU, Occhi considerou que as operações de crédito têm respaldo jurídico e regulatório. Apresentou pareceres do banco e documentos do Banco Central.

De um estoque de R$ 60 bilhões em operações de créditos com entes federativos, a Caixa liberou R$ 42 bilhões (dois terços) recebendo como garantia recursos da União destinados aos fundos de participação de estados (FPE) e de municípios (FPM). Neste ano, a Caixa já mantinha em estudo 1.081 operações com entes federativos totalizando cerca de R$ 19 bilhões com recursos do banco e do FGTS.

“Verifica-se, pois, a importância da retomada [dos empréstimos] no menor tempo possível, de maneira a não prejudicar ainda mais a atual situação dos estados e municípios, viabilizando a atuação eficaz da gestão pública e a implementação dos relevantes projetos sociais, com a continuidade do crescimento da economia”, disse Occhi para a AGU.

No início do ano, decisão do conselho de administração da Caixa vetou essas operações por haver dúvidas sobre o caráter das receitas dos fundos de participação. Para a secretária do Tesouro, e presidente do conselho da Caixa, Ana Paula Vescovi, os fundos são abastecidos com recursos provenientes da arrecadação de impostos e a Constituição proíbe oferecer esse tipo de recurso como garantia bancária.

Além disso, Vescovi considerou que esse lastro é sensível às variações de arrecadação e que, no final, caberia ao próprio Tesouro cobrir eventuais perdas, uma forma de permitir o aumento da dívida de estados e municípios. 

A decisão foi confirmada pelo conselho da Caixa que, desde janeiro, ganhou superpoderes com o novo estatuto. Por isso, quatro vice-presidentes do banco envolvidos em irregularidades foram afastados. O afastamento não tinha sido considerado pela direção do banco até que as suspeitas fossem investigadas.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!