Entidades empresariais comemoram queda na taxa básica de juros |

Redução dos juros impulsiona o consumo e pode criar empregosArquivo/Agência Brasil

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de cortar em 0,25 ponto percentual o valor da taxa Selic, tomada ontem (21), em Brasília, fez com que setores empresariais comemorassem mais uma baixa na taxa de juros, que caiu de 6,75% para 6,5% ao ano. Este foi o 12º recuo consecutivo.

Para o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), essa diminuição demonstra que o comitê ainda não encerrou o ciclo de queda na taxa iniciada em outubro de 2016. Segundo o SPC, o novo recuo e as possíveis quedas adicionais trazem ainda mais estímulo à economia, que vem se recuperando de forma lenta.

“O espaço para uma nova queda na taxa de juros acontece porque a inflação segue controlada e as expectativas em relação ao seu futuro estão ancoradas em patamares abaixo da meta. Além disso, a recuperação econômica em curso se dá de uma forma muito lenta, afastando possibilidade de pressão inflacionária mais à frente”, disse o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Para ele, o Banco Central sinalizou a continuidade do ciclo de expansão monetária, mas sem abandonar a dependência de novos dados.

“A princípio, há espaço para novas quedas, mas, se os dados voltarem a surpreender, uma interrupção na próxima reunião pode acontecer. Além da queda, a boa notícia é que as taxas de juros devem se manter em patamar baixo até pelo menos o fim do ano. É importante ponderar, no entanto, que o cenário político e a necessidade de ajustes fiscais atuam como risco a este ambiente.”

Com novo cenário econômico, aplicações deixam de ser vantajosas

O setor gráfico comemorou a redução dos juros. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf-SP), as perpectivas são muito boas. Para o presidente da entidade, Sidney Anversa Victor, aplicar dinheiro já não é mais tão vantajoso para os empresários e, com a queda da Selic, muitos estão tirando o dinheiro dos bancos e investindo na compra de equipamentos e aumentando a competitividade das empresas, assim como a rentabilidade de seus negócios.

Ele destaca também que a queda dos juros foi fundamental para o aquecimento da economia e teve outros reflexos no setor.

“Depois de 5 anos de crise, alguns setores da indústria gráfica começam a reagir, registrando números positivos, crescimento, o fim das demissões e até novas contratações”. Além disso, na avaliação do empresário, é preciso que os bancos reduzam os juros na mesma proporção. “Isso vai melhorar o acesso ao crédito e diminuir a inadimplência, criando as condições para um novo ciclo de prosperidade”, afirma.

Para a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), apesar da baixa da taxa Selic,, as pessoas e empresas que precisam de crédito ainda continuam pagando juros altos.

Segundo o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o Banco Central tem que agir para derrubar as taxas e reduzir o custo do crédito no Brasil.

“No cheque especial, a taxa é de 323% ao ano, e, no cartão de crédito, 334%. Isso cria dívidas impagáveis. Quem depositou dez anos atrás R$ 100 na caderneta teria hoje R$ 198,03, enquanto uma dívida no cheque especial de R$ 100, também contraída dez anos atrás, representaria hoje R$ 4.394.136,97”, disse Skaf.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!