Fed faz Ibovespa subir 0,97% – Jornal do Comércio

O entendimento dos investidores de uma postura mais suave do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) no ciclo de aperto monetário nos Estados Unidos impulsionou o Ibovespa a tocar o patamar dos 85 mil pontos perto do fim do pregão de ontem. Mas perdeu a força e acabou fechando em alta de 0,97%, aos 84.976 pontos e giro financeiro de R$ 11,190 bilhões.

O Ibovespa só não subiu mais durante o pregão porque ainda havia um sentimento de cautela com as expectativas em torno da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) no início da noite. Após o fechamento do mercado, o Copom anunciou corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, que agora ficou em 6,50% ao ano

Durante o pregão, o Ibovespa atingiu a máxima aos 84.936 pontos, assim que o Fed anunciou a alta de 0,25 ponto nos Fed Funds, cujos juros foram para a faixa entre 1,50% e 1,75%. Além disso, a taxa de desconto foi elevada em 0,25 ponto percentual, para 2,25%. A decisão pela subida nos juros foi tomada de forma unânime. Mas a bolsa reduziu o ritmo de ganhos e ficou operando de lado durante o discurso do presidente da autoridade monetária norte-americana, Jerome Powell. “Os sinais são de que a economia norte-americana está saudável e forte, e isso é um bom sinal para o mundo. Os Estados Unidos indo bem, o mercado mundial cresce junto”, disse Shin Lai, analista da Upside Investor Research.

Na avaliação de Lai, a boa perspectiva para a atividade dos Estados Unidos também contribuiu para a alta dos setores de energia. Os contratos futuros de petróleo subiram em torno de 3%, assim como os índices de metais. O minério de ferro já havia fechado com valorização de 0,46% no porto de Qingdao, na China. Por aqui, as ações da Petrobras ON e PN fecharam com ganhos de 3,80% e 4,11%, respectivamente. Vale ON subiu 2,16%.

Na leitura de analistas, a indicação de que o ciclo de aperto monetário nos EUA tenha ficado mais longo – ou mais suave – melhorou o cenário de incertezas, que vinham desde o mês passado. Ainda assim, ressaltam, há uma divisão igualitária entre os integrantes do Fed.

Decisão de política monetária nos Estados Unidos leva cotação do dólar a cair 1,28%

O desfecho da reunião de política monetária do Fed reforçou o movimento de desmontagem de posições compradas em dólar, e a moeda norte-americana ampliou o ritmo de queda ante o real no período da tarde de ontem. A leitura de que o Fed deverá manter o gradualismo em 2018 enfraqueceu a moeda norte-americana, embora tenha deixado espaço para a cautela no que diz respeito a um maior endurecimento da política monetária dos EUA nos anos subsequentes.

O dólar à vista teve queda de 1,28%, cotado a R$ 3,2661. Com isso, devolveu com folga as altas das duas sessões anteriores, geradas pelos temores de um Fed mais “hawkish” (duro). Os negócios no mercado à vista somaram US$ 1,168 bilhão.

O dólar já havia iniciado o dia em queda, devolvendo parte dos ganhos da véspera, quando havia atingido o maior valor do ano, acima dos R$ 3,30. A tendência foi mantida em linha com o cenário internacional, mas ganhou fôlego rápido e constantemente após a manifestação do Fed.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!