Juros futuros têm firme queda após Copom e Fed – Valor

SÃO PAULO  –  Os juros futuros têm firme queda nos primeiros negócios desta quinta-feira. Em alguns vencimentos mais curtos das taxas de DI, há o recuo mais acentuado em oito meses. O movimento é atribuído a um conjunto de fatores que vão gerando um ambiente quase ideal para a queda das taxas: a sinalização de que a Selic deve cair mais um pouco e a percepção de aperto monetário ainda gradual nos Estados Unidos.

Contrato mais negociado desta manhã, o DI janeiro de 2019 recuou até 6,240% na mínima do dia. A baixa era de 21,5 pontos-base e marcava a queda mais intensa para uma única sessão desde que cedeu 2,90 pontos em 27 de julho de 2017. A comparação leva em conta os valores de fechamentos. Um pouco antes das 9h30, marcava 6,255%.

O DI janeiro de 2020, com movimento também intenso, marcava 7,170%.

Analistas e investidores foram surpreendidos pelo comunicado do Copom, já que muitos esperavam que o ciclo de flexibilização monetária terminaria com um último corte na quarta-feira. Até ontem, a aposta para maio era minoritária, com 20% de chances precificadas nos juros futuros. No entanto, o colegiado afirmou que, neste momento, vê como apropriada uma flexibilização monetária moderada adicional. “O Comitê julga que este estímulo adicional mitiga o risco de postergação da convergência da inflação rumo às metas”, traz o comunicado.

Sinal da resposta entre grandes instituições financeiras, o Bradesco alterou a projeção de Selic de 6,5% para 6,25%, mantendo-se nesse patamar até o fim de 2018. A mudança ocorreu diante da comunicação do Copom e com base na leitura de que não haverá surpresas que mudem o balanço de riscos nos próximos 45 dias.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!