PIB aumentou 0,9% no trimestre encerrado em janeiro, aponta FGV – Jornal do Comércio

A economia brasileira cresceu 0,9% no trimestre finalizado em janeiro deste ano, na comparação com o trimestre anterior (encerrado em outubro de 2017). A estimativa é do Monitor do PIB (Produto Interno Bruto, a soma de todas as riquezas produzidas no País), da Fundação Getulio Vargas (FGV), que busca antecipar o desempenho do PIB, divulgado trimestralmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com o trimestre encerrado em janeiro de 2017, o PIB avançou 2,2%, segundo a FGV. O destaque foi o crescimento das atividades de agropecuária (8,2%), transformação (6,1%), comércio (4,6%) e transporte (2,9%). O crescimento da agropecuária foi influenciado pela alta de 26% da pecuária. A agricultura, por sua vez, teve queda de 1,9%.

Ainda na comparação com o trimestre encerrado em janeiro de 2017, pela ótica da demanda, o consumo das famílias aumentou 2,7%, e a formação bruta de capital fixo (investimentos) avançou 4,4%. A taxa de investimento sobre o PIB ficou em 17,7%. No comércio externo, as exportações subiram 1,9%, mas as importações tiveram uma alta ainda maior (7,6%).

No acumulado de 12 meses, o PIB teve alta de 1,2%. Considerando-se apenas janeiro deste ano, houve uma queda de 0,3% na comparação com dezembro de 2017.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que é necessário manter as reformas estruturais na economia e que isso elevará as taxas de crescimento.

Durante discurso na abertura da 49ª reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), Meirelles disse que o Brasil não só saiu da maior crise de sua história como criou as bases para crescer por anos. “Não ficaria surpreso se crescermos, em média, 3,5% a 4% nos próximos anos”, completou.

Meirelles citou dados de investimentos e consumo para mostrar tendência de crescimento da economia e lembrou que a política monetária do Banco Central tem um impacto importante na economia, responsável por fazer com que o País tenha a menor inflação desde 1998.

O ministro relembrou a previsão de crescimento de 3% em 2018 e disse que o Brasil vai entrar 2019 crescendo.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!