Tensões comerciais fazem Dow Jones cair quase 3% no fechamento – Jornal do Comércio

O novo capítulo da novela comercial do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contra a China impôs uma onda vendedora de ações, fazendo com que as bolsas em Nova Iorque encerrassem o dia com fortes perdas. Os temores de uma guerra comercial entre Washington e Pequim dominaram as atenções dos investidores ao longo do dia, mas intensificaram a queda dos mercados acionários americanos na reta final do pregão, onde o índice Dow Jones chegou a cair mais de 3%.

Com o pior desempenho desde 8 de fevereiro, o Dow Jones encerrou o dia em baixa de 2,93%, aos 23.957,89 pontos, abaixo dos 24 mil pontos; o S&P 500 recuou 2,52%, aos 2.643,69 pontos; e o Nasdaq perdeu 2,43%, aos 7.166,68 pontos. As ações de todas as empresas que compõem o Dow Jones encerraram em queda, enquanto 467 companhias do S&P 500 terminaram o pregão no território negativo

Todos os setores do S&P 500 terminaram no vermelho, com exceção do segmento de serviços básicos (utilities). Já o Índice de Volatilidade da CBOE (VIX), conhecido como o “medidor de medo” de Wall Street, subiu 30,68%, para 23,34 pontos, acima da marca psicologicamente importante dos 20 pontos. A volatilidade, aliás, foi utilizada como parte da justificativa para a forte pressão vendedora das ações. Para a diretora de serviços macroeconômicos para investidores da Oxford Economics, Kathy Bostjancic, a volatilidade deve continuar em meio ao conflito EUA-China.

No início do dia, as bolsas em Nova Iorque já caíam com a possível imposição de tarifas por parte de Trump contra a China. O presidente cumpriu a ameaça e, no início da tarde, assinou memorando que implementa as barreiras contra Pequim, alegando “roubo” de propriedade intelectual. Para Trump, as tarifas, entre US$ 50 bilhões e US$ 60 bilhões, são o “começo” de uma relação comercial “justa” com os chineses. O secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, também disse esperar uma “medida de resposta”, acrescentando que o país asiático poderia comprar mais produtos agrícolas americanos.

Na avaliação do economista de mercados da Capital Economics Oliver Jones, “a política comercial do governo Trump será o principal fator a influenciar novamente os mercados nos próximos dias”. Uma pesquisa elaborada pelo Bank of America Merrill Lynch vai na mesma linha, ao mostrar que a maioria dos investidores destacou uma guerra comercial como “o maior risco de queda” para ativos considerados mais arriscados, como as ações, neste momento.

O subíndice financeiro do S&P 500 liderou as perdas, ao cair 3,70%. Alguns dos principais bancos americanos cederam mais de 4%, como JPMorgan (-4,17%), Morgan Stanley (-4,32%) e Citigroup (-4,11%). Já companhias do setor industrial, que também seriam bastante afetadas pela medida, também exibiram fortes perdas: a 3M recuou 4,69% e a Caterpillar despencou 5,71%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!