Cobre opera em baixa, pressionado por temores sobre comércio global – Jornal do Comércio

O cobre opera em queda na manhã desta sexta-feira (23), sob pressão diante do risco de uma escalada nas disputas comerciais entre países. Nesta sexta-feira, entram em vigor as tarifas dos Estados Unidos à importação de aço e alumínio. Além disso, a China anunciou que pode retaliar, caso os americanos levem adiante suas ameaças de mais punições à potência asiática por suposto roubo de propriedade intelectual.

Às 9h10min (de Brasília), o cobre para três meses caía 0,65%, a US$ 6.680 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 9h20min, o cobre para maio recuava 0,41%, a US$ 3,0075 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Mesmo com o dólar mais fraco, que poderia apoiar os metais, prevalece hoje a cautela com os riscos geopolíticos e seus possíveis impactos para a demanda por metais. Na quinta-feira (22), os EUA anunciaram que pretendem impor mais dezenas de bilhões de dólares em tarifas e restrições a importações da China. O Ministério do Comércio chinês respondeu nesta sexta-feira, com a ameaça de impor tarifas no valor de US$ 3 bilhões sobre produtos dos EUA, além de dizer que preparava outras medidas.

Entre outros metais básicos na LME, o alumínio caía 0,22%, a US$ 2.066 a tonelada, o zinco tinha alta de 0,08%, a US$ 3.211 a tonelada, o estanho recuava 1,10%, a US$ 20.715 a tonelada, e o níquel caía 0,84%, a US$ 13.050 a tonelada. O chumbo, por sua vez, tinha queda de 0,64%, a US$ 2.346,50 a tonelada. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!