Juros corrigem parte da queda de quinta e fecham entre estabilidade e alta – Jornal do Comércio

Os juros futuros de curto e médio prazos fecharam perto dos ajustes anteriores e as longas terminaram a sessão regular desta sexta-feira (23) em alta, corrigindo parte da queda da véspera, após a mensagem bastante “dovish” (mais leve) do Comitê de Política Monetária (Copom), indicando para uma nova queda da Selic em maio, em meio ainda às preocupações com uma guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,240%, 6,239% no ajuste anterior, e o DI para janeiro de 2020 terminou com taxa de 7,14%, mesmo patamar do ajuste de quinta. A taxa do DI para janeiro de 2021 passou de 8,06% para 8,07%. O DI para janeiro de 2023 encerrou com taxa de 9,05%, de 8,99%.

A agenda da sexta-feira tinha como destaque principal o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de março, que veio em linha com a mediana das estimativas, de 0,10%, e preços de abertura muito favoráveis ao cenário de inflação, indo ao encontro da sinalização do Banco Central.

À tarde, saíram os dados da arrecadação de fevereiro, também dentro do esperado, sem influência nos negócios. A arrecadação somou R$ 105,122 bilhões, o melhor desempenho para meses de fevereiro desde 2015. As projeções iam de R$ 98,1 bilhões a R$ 110 bilhões, com mediana de R$ 104,3 bilhões.

Com a sessão regular já na reta final, a alguns minutos do encerramento, saíram os dados do Caged, bem abaixo do piso das estimativas (90 mil postos). A criação de vagas em fevereiro foi de 61.188. A conferir se na reabertura da sessão, na etapa estendida, haverá reação dos ativos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!