UE responderá a tarifas de Trump se não houver isenção permanente – Jornal do Comércio

Os líderes da União Europeia pediram aos Estados Unidos, nesta sexta-feira (23), uma isenção permanente das tarifas sobre as importações de aço e alumínio, advertindo que se reservam o direito de responder às medidas promovidas pelo presidente Donald Trump.

“A UE pede uma isenção permanente das tarifas americanas”, tuitou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, após um debate dos presidentes um dia depois de Trump ter autorizado a suspensão até 1º de maio dessas medidas para o bloco europeu, Argentina, Brasil, Coreia do Sul e Austrália, além dos já anunciados Canadá e México.

Os Estados Unidos se encontram em negociação com esses países “sobre medidas alternativas satisfatórias diante da ameaça à Segurança Nacional (americana) constituída pela importação do aço”, e os parceiros de Washington ficarão, no momento, isentos das tarifas sobre suas importações, indicou a Casa Branca em um comunicado.

“Essas medidas não podem ser justificadas em fundamentos de segurança nacional, e a proteção setorial nos EUA é um remédio inapropriado para os problemas reais de excesso de capacidade”, informa um comunicado conjunto dos 28 líderes da UE reunidos em Bruxelas. O grupo tomou nota dessa isenção temporária nas conclusões da cúpula, mas pediu que seja permanente.

Eles advertiram que o bloco “se reserva o direito, em acordo com a Organização Mundial do Comércio, de responder às medidas americanas, de maneira apropriada e proporcional”. No Twitter, a comissária europeia do Comércio, Cecilia Malmström, afirmou que as opções da UE para preservar seus direitos estão abertas.

Entre essas alternativas, Bruxelas preparou uma lista de produtos americanos emblemáticos, como a manteiga de amendoim, as motos Harley-Davidson, ou as calças jeans Levi’s, que poderiam ser sobretaxados. “As discussões entre aliados e parceiros não deveriam ser objeto de datas-limite artificiais”, tuitou Malmström.

“Dá a impressão de que o presidente dos Estados Unidos quer negociar com a União Europeia colocando um revólver na nossa cabeça”, disse o primeiro-ministro belga, Charles Michel. “Não é uma maneira muito leal de negociar entre sócios históricos”, acrescentou.

Os participantes da cúpula reiteraram o “compromisso com fortes relações transatlânticas como pedra angular de segurança e prosperidade tanto nos Estados Unidos como na União Europeia”.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!