Análise: BC mirou concentração bancária e verticalização em cartões – Valor

SÃO PAULO  –  Ao instituir um teto para a chamada taxa de intercâmbio nas operações com cartões de débito, o Banco Central procurou corrigir distorções com impacto negativo sobre a competição na área de cartões: a concentração bancária em poucas instituições e também a forte verticalização das operações do setor de cartões. O BC entendeu que havia excessos na cobrança da taxa de intercâmbio que vinham inibindo a concorrência no segmento de débito com cartões. A autoridade deixou claro ainda que avalia efeito semelhante sobre o segmento de cartões de crédito, tido como mais complexo.

Para entender os efeitos da medida e seu propósito, é preciso entender a taxa de intercâmbio. As bandeiras de cartão, como Visa e Mastercard, cobram uma taxa sobre cada transação com cartão, chamada de MDR. Essa taxa sobre transação é paga pelas credenciadoras (responsáveis por credenciar os estabelecimentos comerciais aptos a aceitar cartões) e pelos próprios estabelecimentos comerciais e, por consequência, acabam sendo repassadas aos consumidores. A taxa de intercâmbio é um dos três componentes dessa taxa MDR e serve para remunerar especificamente os emissores dos cartões usados na transação. Os emissores, no caso, são os bancos.

Embora as bandeiras é que definam e cobrem a taxa de intercâmbio, como há poucos grandes emissores no Brasil, esses têm um grande poder de barganha perante as bandeiras. Por exemplo: se um banco quer que a bandeira lhe pague uma taxa de intercâmbio maior, pode começar a emitir mais cartões da bandeira concorrente. Ou seja, têm um grande poder para pressionar por uma remuneração maior.

Ao impor um limite máximo à taxa de intercâmbio, como fez hoje, o Banco Central acaba com esse poder de barganha dos bancos emissores.

Ao mesmo tempo, os maiores bancos no Brasil criaram suas próprias bandeiras, como Elo (Banco do Brasil e Bradesco) e Hipercard (Itaú), numa estratégia de verticalização da operação, com o objetivo de reter ganhos dentro de casa. Como os mesmos bancos possuem suas credenciadoras, atuam em quase todas as etapas da cadeia de cartões – bandeira, emissor e credenciador de estabelecimentos. Para alguns especialistas, com essa configuração, esses agentes conseguem aumentar o valor da taxa de intercâmbio, inibindo a concorrência de novas credenciadoras de cartões.

Em resumo, a medida do BC busca que o usuário de cartão pague tarifas menores, ao mesmo tempo em que procura manter as condições de concorrência para novas credenciadoras não ligadas aos grandes bancos. Se tudo funcionar como o BC propõe, perdem com a medida os grandes bancos que estão em todas as pontas.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!