Bolsas de Nova Iorque têm melhor desempenho diário desde agosto de 2015 – Jornal do Comércio

Com o melhor desempenho diário desde agosto de 2015, os mercados acionários americanos apagaram todas as perdas registradas na última sexta-feira, ao fecharem em forte alta. O arrefecimento das tensões comerciais entre Estados Unidos e China foi a base do cenário para que os setores financeiro e de tecnologia liderassem os ganhos, enquanto os investidores continuaram monitorando notícias relacionadas ao Facebook.

O índice Dow Jones encerrou o dia em alta de 2,84%, aos 24.202,60 pontos; o S&P 500 avançou 2,72%, aos 2.658,55 pontos; e o Nasdaq saltou 3,26%, aos 7.220,54 pontos. As techs foram as principais ganhadoras do dia, com o subíndice de tecnologia do S&P 500 fechando em alta de 4,03%. Em pontos, o Dow Jones ganhou 669,40 pontos – a terceira maior pontuação diária da história.

Os ganhos nos mercados acionários começaram a encontrar apoio no domingo, após o Wall Street Journal revelar que China e EUA começaram negociações para melhorar o acesso de Washington aos mercados financeiros chineses. As discussões por trás dos bastidores ocorreram após anúncios de planos dos EUA de atingir a China com tarifas de até US$ 60 bilhões, alegando roubo de propriedade intelectual. Além disso, houve imediata retaliação por parte de Pequim, anunciando tarifas de US$ 3 bilhões contra produtos americanos.

Também no domingo, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que o governo de Donald Trump está “trabalhando em um caminho para ver se podemos chegar a um acordo sobre o que é o comércio justo para eles”. No fim de semana passado, o governo Trump enviou uma carta a autoridades chinesas, estabelecendo pedidos que incluem a redução de tarifas chinesas sobre automóveis americanos e maior acesso ao sistema financeiro da China pelas empresas americanas.

Para o estrategista Keith Parker, do UBS, como os produtos chineses a serem alvo de tarifas por parte dos EUA incluem máquinas e tecnologia da informação, “isso significa que os produtores americanos de produtos sujeitos a tarifas poderiam se beneficiar. Por outro lado, as ações com maior exposição à receita para a China ainda podem estar em risco”. Não à toa, na semana passada, papéis de gigantes de tecnologia foram fortemente vendidos.

Com isso, houve forte recuperação das techs e dos bancos vista nesta segunda-feira: o Goldman Sachs subiu 3,29% e o Morgan Stanley avançou 4,28%, enquanto entre as ações de tecnologia foram destaques a Apple (+4,75%), a Netflix (+6,45%) e a Intel (+6,32%). Já a Microsoft viu suas ações saltarem 7,57%, para US$ 93,78, no melhor desempenho diário porcentual desde outubro de 2015, em um movimento iniciado pelo Morgan Stanley, que elevou o preço-alvo das ações da companhia para US$ 130.

O processo de investigação do Facebook também continuou no radar. As ações da companhia chegaram a cair mais de 5% no início do pregão, entrando em bear market, após a Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês), agência ligada ao governo americano, comunicar que está investigando as práticas de privacidade da companhia de Mark Zuckerberg. No entanto, o cenário positivo para as empresas de tecnologia deu apoio às ações do Facebook, que, no fim do pregão, viraram para o positivo e fecharam em alta de 0,42%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!