Juro médio no crédito livre sobe para 42,2% em fevereiro – Jornal do Comércio

A despeito da tendência de queda da taxa Selic, o juro médio no crédito livre ignorou o cenário e subiu pelo segundo mês seguido, de 41,1% ao ano em janeiro para 42,2% ao ano em fevereiro, informou nesta segunda-feira (26) o Banco Central. Em fevereiro de 2017, essa taxa estava em 53,0% ao ano.

Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre subiu de 55,8% para 57,7% ao ano de janeiro para fevereiro, enquanto para pessoa jurídica caiu ligeiramente, de 22,3% para 22,2% ao ano.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa caiu ligeiramente, de 324,7% ao ano para 324,1% ao ano de janeiro para fevereiro. No crédito pessoal, a taxa subiu de 46,2% para 46,9% ao ano. Para veículos, os juros recuaram ligeiramente, de 22,7% para 22,5% ao ano, de janeiro para fevereiro.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas (com recursos da poupança e do Bndes), foi de 26,2% ao ano em janeiro para 26,9% ao ano em fevereiro. Em fevereiro de 2017, estava em 32,2%.

Já o Indicador de Custo de Crédito (ICC) subiu 0,2 ponto porcentual em fevereiro ante janeiro, para 21,7% ao ano. O porcentual reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque. Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento.

O spread (diferença entre o que o banco paga nas aplicações e o que o banco cobra nos empréstimos) bancário médio no crédito livre subiu de 32,9 pontos porcentuais em janeiro para 34,1 pontos porcentuais em janeiro.

O spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 47,2 para 49,2 pontos porcentuais no período. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 14,7 para 14,6 pontos porcentuais.

O spread médio do crédito direcionado passou de 4,8 pontos porcentuais em janeiro para 5,1 pontos porcentuais em fevereiro. Já o spread médio no crédito total (livre e direcionado) passou de 19,7 para 20,4 pontos porcentuais no período.

A taxa de inadimplência no crédito livre passou de 5,1% em janeiro para 5,0% em fevereiro. Em fevereiro de 2017, a taxa estava em 5,6%. Para pessoa física, a taxa de inadimplência foi de 5,2% em janeiro para 5,1% em janeiro. Para as empresas, a taxa ficou estável em 4,8%.

A inadimplência do crédito direcionado passou de 1,7% em janeiro para 1,8% em fevereiro. Já o dado que considera o crédito livre mais o direcionado mostra que a taxa de inadimplência se manteve em 3,4%.

O estoque total de operações de crédito do sistema financeiro caiu 0,2% em fevereiro ante janeiro, para R$ 3,061 trilhões. Em 12 meses, o estoque registrou baixa de 0,3%. Em fevereiro ante janeiro, houve redução de 0,1% no estoque para pessoas físicas e queda de 0,4% para pessoas jurídicas.

De acordo com o BC, o estoque de crédito livre recuou 0,1% em fevereiro, enquanto o de crédito direcionado diminuiu em 0,3%. No crédito livre, houve retração de 0,2% no saldo para pessoas físicas no mês passado. Para as empresas, o estoque das operações livres teve ligeira alta de 0,2% no período.

O BC informou ainda que o total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) passou de 46,6% em janeiro para 46,4% em fevereiro.

A média diária de concessões de crédito livre subiu 16,4% em fevereiro ante janeiro, para R$ 13,7 bilhões. Houve avanço de 9,0% em 12 meses até fevereiro. No crédito direcionado, a média de concessões subiu 14,7% em fevereiro ante janeiro, para R$ 1,0 bilhão. Em 12 meses até fevereiro, há baixa de 6,5%.

Quando se soma o crédito livre e o direcionado, a alta das concessões médias foi de 16,3% em fevereiro, para R$ 14,7 bilhões. No acumulado de 12 meses, o avanço é de 7,4%.

O saldo de financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) para empresas recuou 1,3% em fevereiro ante janeiro, somando R$ 472,185 bilhões. Em 12 meses, a queda acumulada é de 12,2%.

Em fevereiro, houve recuo de 3,9% nas linhas de capital de giro, baixa de 1,2% no financiamento de investimento e queda de 0,7% no financiamento agroindustrial.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!