Juros futuros caem junto com dólar em meio a conversas entre EUA e China – Jornal do Comércio

Os juros futuros recuam na manhã desta segunda-feira (26) em sintonia com o dólar ante o real, precificando a retomada das conversas entre Estados Unidos e China no fim de semana. A expectativa é de que as duas maiores potências econômicas mundiais possam chegar a um acordo, evitando uma guerra comercial.

Os investidores monitoram ainda a redução das projeções na Pesquisa Focus para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2018, de 3,63% para 3,57%, e também no Top 5 de médio prazo, de 3,67% para 3,41%, enquanto as estimativas para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) subiram de 2,83% para 2,89%.

Para 2019, a projeção para o IPCA caiu de 4,20% para 4,10% e, para o PIB, permaneceu em 3,00%. No Top5 médio prazo, o IPCA para 2019 caiu de 4,00% para 3,70%. Essas revisões não alteram as perspectivas de um novo corte de 0,25 ponto da taxa Selic, para 6,25% na reunião do Copom, em maio.

Às 9h45min, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2021, mais negociado, indicava 8,02%, ante 8,07% no ajuste de sexta-feira (23). O DI para janeiro de 2023 cedia a 9,00%, ante 9,05% no ajuste anterior. No câmbio, o dólar à vista caía 0,41%, aos R$ 3,3027. O dólar futuro para abril recuava 0,32%, aos R$ 3,3025.

Estará no radar também, a partir das 13h30min, a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que vai analisar o recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a condenação a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá.

Além disso, o Banco Central alterou o horário de divulgação das estatísticas monetárias e de crédito relativas ao mês de fevereiro. A nota, que seria inicialmente divulgada às 10h30min, será publicada apenas às 14h30min. Às 15 horas, o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, dará entrevista para comentar os dados da nota.

Mais cedo, a Fundação Getulio Vargas informou que o Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado (INCC-M) ficou em 0,23% em março, mostrando aceleração ante a alta de 0,14% registrada em fevereiro. Também o Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 0,7 ponto em março ante fevereiro, alcançando 82,1 pontos.

Dessa forma, o primeiro trimestre foi encerrado com uma alta de 2,9 pontos ante o trimestre anterior e de 7,2 pontos, sem ajuste sazonal, sobre o mesmo trimestre de 2017. Já o Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) acelerou em cinco das sete capitais pesquisadas na terceira quadrissemana de março em relação à segunda leitura do mês. No geral, o IPC-S acelerou de 0,12% para 0,14% entre os dois períodos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!