Real segue bom humor externo, mas com menos intensidade – Valor

SÃO PAULO  –  Os vendedores de dólar tiveram mais força neste começo de semana, mas não a ponto de derrubarem a moeda do patamar de R$ 3,30 estabelecido na semana passada.

No fechamento, a cotação caiu 0,40%, a R$ 3,3040. Na mínima, a taxa desceu a R$ 3,2932, mas não se sustentou aquém dos R$ 3,30. No mercado futuro, o dólar para abril cedia 0,17%, a R$ 3,3075.

O real segue vários de seus pares emergentes e de perfil correlacionado às commodities, numa segunda-feira marcada pela demanda por ativos de risco.

Mas a divisa brasileira tem desempenho aquém de vários de suas rivais. O dólar australiano subia 0,7%, enquanto peso mexicano e rand sul-africano ganhavam quase 1%. Na América Latina, o peso colombiano se apreciava 1,5%, melhor desempenho global.

A performance mais limitada do câmbio doméstico pode ser percebida também em março e no acumulado de 2018. O real ainda perde 1,86% no mês, segundo pior desempenho global (a lira turca cai 4,12%). No ano, a moeda brasileira pouco oscila (alta de 0,29%), ante valorização de 7% do peso mexicano e de 6,5% do peso colombiano.

Alguns analistas citam a saúde das contas externas e a perspectiva de melhora do clima econômico doméstico como fatores a sustentar o real. Dessa forma, a taxa de câmbio estaria nos atuais patamares excessivamente depreciada.

Porém, outros entendem que o aperto das condições monetárias no exterior associada ao menor prêmio de risco oferecido pelo câmbio (com os juros locais nas mínimas históricas) e ao quadro eleitoral ainda incerto no Brasil pesará sobre o real nos próximos meses.

O Santander Brasil, por exemplo, vê dólar a R$ 3,38 já no fim do segundo trimestre, com a moeda alcançando R$ 3,50 ao término tanto de setembro quanto de dezembro. Para o banco, além da compressão dos diferenciais de juros e da incerteza eleitoral, o “constante” adiamento de reformas fiscais levarão a um aumento do risco-país (CDS de cinco anos), medida considerada um importante “driver” para o câmbio.

Com o cenário ainda nebuloso, a Icatu Vanguarda prefere posições mais táticas (de curto prazo) em câmbio. A gestora ainda acredita num cenário doméstico “bastante positivo” ciclicamente, com pano de fundo benigno para emergentes e o Brasil. Porém, já vê acúmulo de evidências “potenciais” de que o quadro internacional está mudando.

“Entendemos que o cenário externo apresenta um peso grande sobre o desempenho do real, e o cenário eleitoral poderá trazer volatilidade de curto-prazo”, afirmam gestores da casa.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!