Aumento da rigidez orçamentária é quadro bastante preocupante, diz Tesouro – Jornal do Comércio

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, alertou para o nível elevado de rigidez orçamentária verificado na União, de Estados e municípios. Dados divulgados nesta terça-feira (27) pelo órgão mostram que as despesas com salários e benefícios previdenciários tiveram um salto entre 2010 e 2017 em relação ao total de gastos, limitando a capacidade de investimento do poder público.

Nos Estados e municípios, o quadro é agravado pela evolução das despesas com servidores ativos e aposentados. Entre os governos estaduais, esses gastos saltaram de 52,8% das despesas primárias em 2010 para 62,4% em 2017. Nos municípios, as despesas com pessoal saíram de 49,8% para 59,8% no mesmo período.

Os gastos com pessoal são despesas obrigatórias, ou seja, não estão sujeitos a cortes e bloqueios como as discricionárias, sobre as quais o governo tem maior poder de gerenciamento. São nas discricionárias que ficam os investimentos, que caíram de 8,9% para 3,8% das despesas primárias nos Estados entre 2010 e 2017, e de 11,2% para 4,0% no caso dos municípios.

“O que salta é a evolução das despesas de pessoal ativos e inativos de Estados e municípios. Fica aí o desafio”, disse a secretária. “Há uma compressão importante dos investimentos, é um quadro bastante preocupante”, afirmou.

Na União, a rigidez orçamentária se deve principalmente ao elevado porcentual de comprometimento das despesas primárias com os benefícios previdenciários pagos pelo INSS: 43% em 2017, ante 36% em 2010. Além disso, o governo federal também destinou no ano passado 22% dos gastos primários ao pagamento de salários e aposentadorias de servidores (esse porcentual era de 23,8% em 2010).

Como consequência, o nível de investimento da União também caiu no período. As despesas para esse fim responderam por 4% dos gastos primários em 2017, contra 6,3% em 2010.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!