Dívida pública federal cresce 1,53% em fevereiro, para R$ 3,582 trilhões – Jornal do Comércio

A dívida pública federal do Brasil cresceu 1,53% em fevereiro sobre janeiro, a R$ 3,582 trilhões, divulgou o Tesouro Nacional ontem. No mesmo período, a dívida pública mobiliária interna teve alta de 1,5%, a R$ 3,457 trilhões, com a emissão líquida de R$ 28,91 bilhões e apropriação positiva de juros de R$22,41 bilhões.

A dívida externa subiu 2,23% na mesma base de comparação, influenciada pelo comportamento do câmbio. Em fevereiro, o dólar subiu 1,97% sobre o real, em meio ao avanço da percepção de que o banco central norte-americano poderia elevar os juros mais rapidamente do que o esperado.

Para 2018, o PAF (Plano Anual de Financiamento) estabeleceu um intervalo de R$ 3,78 trilhões a R$ 3,98 trilhões para o estoque da dívida pública total.

Quanto à composição, os títulos prefixados continuaram com maior peso na dívida, a 34,33% do total, acima dos 33,8% em janeiro e dentro da meta de 32% a 36% no ano.

Os títulos atrelados à taxa flutuante, como a Selic, fecharam fevereiro a 32,38% do geral, ligeiramente abaixo do patamar de 32,43% em janeiro. Para o ano, o objetivo no PAF é que esses papéis, representados pelas LFTs, fiquem entre 31% a 35% da dívida pública federal.

Já os títulos indexados à inflação caíram a 29,66% do total em fevereiro, contra 30,17% no mês anterior, sendo que a referência para o ano é de 27% a 31%.

No último mês, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna recuou a 12,39%, ante 12,41% em janeiro.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!