Lagarde diz que recuperação da zona do euro é exemplar – Jornal do Comércio

A maneira como a zona do euro saiu da forte recessão do início da década é exemplar para o restante do mundo, mas o processo de integração da região tem de se aprofundar para diminuir os efeitos de eventuais novas crises. A avaliação é da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

“Uma zona do euro mais unificada é uma bússola para a região e um sinal de esperança para o restante do mundo”, afirmou Lagarde em discurso em Berlim. Na fala, ela classificou ainda a recuperação econômica europeia como “sustentada e amplamente compartilhada”, mas sob a ameaça do “populismo e do protecionismo”.

Na avaliação da chefe do FMI, tanto a capacidade quanto os desafios da zona do euro foram testadas na última crise. “A zona do euro desenvolveu novas instituições e capacidades, como o mecanismo europeu de estabilidade. Mas há limitações a serem vencidas. Neste sentido, é necessário construir resiliência, assegurar a estabilidade do setor financeiro para garantir que a política fiscal desempenhe o seu papel”, disse.

Como saída para eventuais futuras crises, Lagarde enumerou três medidas essenciais: união bancária, modernização dos mercados de capitais e criação de fundo orçamentário central. Sobre a união bancária e de mercados de capitais, a diretora-gerente do FMI afirmou que o desafio se torna ainda maior devido ao Brexit, que poderá “levar à mudança de instituições para a Europa continental nos próximos meses”.

Já em relação ao fundo orçamentário central, Lagarde disse que ele deverá ser uma peça “complementar aos orçamentos governamentais, que sempre serão a primeira e a principal linha de defesa em qualquer recessão”. “É um fundo em que os países contribuiriam a cada ano para acumular ativos nos bons tempos da economia. Então, dependendo da profundidade de uma desaceleração, os países receberiam transferências para ajudá-los a compensar déficits orçamentários”, explicou.

Para Lagarde, o objetivo de cada uma dessas reformas não é incentivar a complacência. “A ideia é criar uma maior tranquilidade para a zona do euro. Para funcionar bem, a zona do euro precisa de mais confiança e responsabilidade entre os países”, disse.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!