Aneel sugere aumento médio de 19,50% nas tarifas de luz da RGE – Jornal do Comércio

A perspectiva de incrementos elevados nas tarifas de energia das maiores distribuidoras do Rio Grande do Sul continua. Dessa vez, a concessionária que deverá confirmar um aumento expressivo é a Rio Grande Energia (RGE).

Na tarde de ontem, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a realização de audiência pública para debater a revisão tarifária periódica da companhia gaúcha e propôs um aumento de efeito médio a ser percebido pelos consumidores na ordem de 19,50%.

Apesar de ainda haver possibilidade de mudanças, normalmente o resultado final não é muito distinto do que foi sugerido inicialmente. A alteração nas contas de luz da RGE começarão a vigorar a partir de 19 de junho. Para a classe de consumidores B1 (residenciais), o incremento médio previsto é de 19,73%; para a alta tensão (indústria), de 19,05%; e para a baixa tensão (pequenos comércios), de 19,77%.

O presidente do Conselho de Consumidores da RGE, Claiton Gaieski Pires, admite que foi surpreendido pelos números apresentados e diz que esperava percentuais menores. “Pareceu extremamente alto”, frisa.

O dirigente comenta que analisará mais profundamente as bases que foram adotadas para chegar a esse patamar. Porém, adianta que parte desse aumento é explicada pela taxa de remuneração de investimentos feitos pela concessionária que não foram amortizados.

Conforme o presidente do Conselho de Consumidores da RGE, durante a audiência pública, há pouca margem para mudar os números propostos. No entanto, Pires considera importante a participação de clientes, do Ministério Público e de sindicatos para demonstrar a insatisfação contra o robusto incremento.

O dirigente reforça que a questão afeta a competitividade da indústria e o poder aquisitivo da população. Pires chega a levantar a dúvida se as melhorias feitas pelas distribuidoras na rede elétrica, quando essas empresas já possuem boas condições de atendimento, valem a pena se vinculadas a pesados repasses na conta de luz.

O diretor de Operações da comercializadora de energia Electra Energy, Fernando Umbria, diz que não se surpreendeu com o aumento indicado. O dirigente salienta que o processo de revisão tarifária é o momento em que a Aneel passa um “pente fino” nas tarifas das concessionárias, analisando mais profundamente os custos dessas companhias.

Umbria cita o gasto com a aquisição da energia, encargos setoriais como a CDE (Conta de Desenvolvimento Energético) e investimentos feitos na rede elétrica por parte da RGE como motivos que ocasionaram o percentual.

A audiência pública, que se estenderá do dia 28 de março até 12 de maio, também servirá para a definição dos limites dos indicadores de continuidade do fornecimento de energia da RGE (DEC e FEC), para o período de 2018 a 2023.

Haverá uma sessão presencial para debater o tema no dia 26 de abril na cidade de Caxias do Sul, em local e horário a serem definidos posteriormente.

As sugestões podem ser encaminhadas ainda por correspondência para o endereço da Aneel (SGAN, Quadra 603, Módulo I, Térreo, Protocolo Geral, CEP: 70830-100), em Brasília (DF). A RGE é a distribuidora de energia elétrica da Região Norte-Nordeste do Rio Grande do Sul que atende a 255 municípios.

A companhia é controlada pelo grupo CPFL, assim como a RGE Sul, que, recentemente, teve um incremento médio de 25,34% sugerido pela Aneel para as suas contas. Procurada pela reportagem do Jornal do Comércio, a assessoria de imprensa da RGE informou que a empresa não iria posicionar-se sobre os percentuais divulgados pela Aneel.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!