CVM registra 287 processos administrativos em 2017 – Jornal do Comércio

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) registrou 287 processos administrativos em 2017, uma alta de 0,35% em relação ao ano anterior. Já o número de processos investigativos iniciados aumentou 22%, totalizando 138 casos. Os dados constam do Relatório de Atividade Sancionadora de 2017, divulgado nesta terça-feira, 27, e mostram que a autarquia foi confrontada por casos relevantes, como o uso de informação relevante nos mercados de câmbio e valores mobiliários pela JBS, durante as negociações de delação premiada de seus controladores, e a falta de dever fiduciário de gestores da Petrobras na contratação de navios sonda.

Houve um esforço para reduzir o prazo de instrução dos processos. “Hoje, o caso mais antigo no colegiado é de 2015 e na Superintendência de processos sancionadores (SPS), 2016”, disse o superintendente Carlos Guilherme Aguiar, lembrando que o processo contra a JBS foi aberto, instaurado e concluído em 2016.

Mesmo assim, ao final do ano, havia 183 processos em estoque no Colegiado aguardando julgamento, 26% a mais do que os 145 que estavam nessa instância ao final de 2016. No ano, o número de julgamentos caiu 22%. Foram 51 processos julgados e 19 arquivados. O presidente da CVM, Marcelo Barbosa, lembrou, porém, que o colegiado ficou incompleto durante alguns períodos. “Desde 2013, quando começou o planejamento estratégico, é a primeira vez que o colegiado fica completo”, disse.

Os processos administrativos podem resultar em processos sancionadores ou investigativos; inquéritos administrativos, termos de acusação de rito ordinário ou de rito simplificado; ou procedimentos preventivos e orientadores, tais como Ofícios de Alerta e Stop Order. Foram 22 stop orders no ano, um incremento de 144% em relação à 2016.

A arrecadação decorrente de processos administrativos alcançou R$ 186 milhões, sendo R$ 166 milhões em processos julgados e R$ 20 milhões decorrentes de termos de compromissos firmados no ano. Embora o número de processos aprovados para celebração de termo de compromisso tenha aumentado 43% e a quantidade de proponentes tenha subido 25%, o valor arrecadado caiu R$ 20 milhões. “Apenas o caso do Postales representou uma arrecadação de R$ 101 milhões em multa”, lembrou Aguiar.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!