Decisão do TCU não reduz interesse na rodada de blocos de petróleo, diz IBP – Jornal do Comércio

O setor de petróleo minimizou o impacto da decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de retirar duas áreas da 15ª Rodada de Licitações de Blocos de Petróleo e Gás, marcada para esta quinta-feira. A avaliação é que a medida é uma frustração maior para o governo do que para o mercado.

“O governo é quem tinha mais expectativa com essas duas áreas, mas existem outras na franja do pré-sal que podem atrair interesse”, disse o diretor executivo de E&P do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), Antonio Guimarães.

Para ele, a decisão do TCU foi acertada, já que havia a possibilidade de os dois blocos – S-M-534 e o S-M-645, ambos no pós-sal da Bacia de Santos – estarem conectados com a área de Saturno. Se isso se confirmasse, seria necessário “unitizar” (unir) blocos sujeitos a regimes diferentes de produção. Saturno foi contratado no modelo de partilha da produção, enquanto o leilão para áreas no modelo de concessão. “É o que já ocorre em áreas vizinhas da Petrobras e da PPSA e que tem se mostrado bastante complexo”, completa.

A expectativa de Guimarães é que haja bastante interesse por outras áreas que serão licitadas e que o governo mantenha a estabilidade das regras. Segundo ele, riscos como a indefinição em relação ao Repetro no Rio de Janeiro já estão precificado. “Ao longo de todos os anos, mesmo quando houve mudanças nas regras, não se rasgou contratos. O setor já amadureceu para saber que quem compra terá seus direitos preservados”, disse, ao ser questionado sobre o risco de uma interrupção no processo de abertura e de mudanças na política pelo futuro governo.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!