Juros futuros batem máximas junto com dólar após PIB e com saídas de estrangeiros – Jornal do Comércio

Os juros futuros passaram a subir em meio ao fortalecimento do dólar, após terem iniciado a sessão perto da estabilidade. O dólar à vista está renovando máximas, precificando o fortalecimento do dólar no exterior após o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA e novas saídas de recursos da Bolsa brasileira e da renda fixa, diz o diretor da Correparti Jefferson Rugik.

O resultado do PIB dos Estados Unidos acima do esperado no 4º trimestre de 2017. O PIB dos Estados Unidos cresceu à taxa anualizada de 2,9% no 4º trimestre de 2017 (terceira estimativa), acima da previsão de +2,7%, o que ajuda a fortalecer o dólar no exterior diante das especulações sobre um ritmo mais forte de alta de juros nos EUA, segundo analistas.
No mercado local, o Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M) forte neste mês foi olhado e é considerado negativo. O IGP-M avançou para 0,64% em março, acelerando o ritmo de alta em relação a fevereiro, quando subira 0,07%.

Assim, o indicador voltou a subir em 12 meses após 9 meses de deflação, mostrando elevação de 0,20%. No ano, o acumulado registra avanço de 1,47%. Em 12 meses, o IGP-M ficou ligeiramente acima da mediana de 0,19%, mas dentro do intervalo esperado, que variava de 0,09% a 0,31%.

Também foi revelado mais cedo que o Índice de Confiança de Serviços (ICS) recuou 1,7 ponto na passagem de fevereiro para março, para 91,4 pontos, na série com ajuste sazonal, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). A perda ocorre depois de o índice acumular um avanço de 10,4 pontos nos oito meses anteriores.

Às 10h07min, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 estava a 7,12%, na máxima, de 7,07% no ajuste de terça-feira. O DI para janeiro de 2021 estava a 8,05%, na máxima, de 7,97% no ajuste anterior.

O DI para janeiro de 2023 subia a 9,07%, de 8,97% no ajuste de terça. No câmbio, o dólar à vista estava na máxima, aos R$ 3,3352 (+0,20%), e o dólar para abril, também na máxima, subia 0,33%, aos R$ 3,3355.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!