Juros longos fecham com viés de alta, com menor apetite pelo risco no exterior – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam a sessão regular perto da estabilidade na ponta curta e com viés de alta nos vencimentos longos nesta quarta-feira (28). A mensagem da ata do Comitê de Política Monetária (Copom), de que a Selic deverá ser reduzida em maio pela última vez neste ciclo, seguiu induzindo ajustes nos contratos de curto prazo, enquanto nos longos pesou mais o cenário externo, também por pressionar o dólar ante várias moedas de economias emergentes incluindo o real.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou em 6,240%, de 6,239% no ajuste de terça-feira, e a do DI para janeiro de 2020 passou de 7,07% no ajuste anterior para 7,08%. A taxa do DI para janeiro de 2021 subiu de 7,97% para 8,00% e a do DI para janeiro de 2023 terminou em 9,00%, de 8,97%.

A sessão foi de cautela generalizada com ativos de risco, a partir de sinais de que a inflação dos Estados Unidos pode exigir um aperto monetário mais firme pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e das preocupações com empresas de tecnologia, que impõem mais um dia de perdas para o Nasdaq.

Pela manhã, a terceira estimativa do PIB norte-americano do quarto trimestre mostrou que a economia cresceu 2,9% no período, acima da mediana das previsões (+2,7%). À tarde, o presidente do Federal Reserve de Atlanta, Raphael Bostic, afirmou que a inflação está subindo a um ritmo mais rápido que alguns dos principais índices sugerem, dando ao BC espaço para continuar a elevar gradualmente os juros.

Às 16h32, o dólar à vista reduzia a alta para 0,07%, aos R$ 3,3312, e o Ibovespa caía 0,09%, aos 83.733,26 pontos. Em Nova York, o Dow Jones ensaiava uma virada de sinal para o campo positivo, com queda de 0,02%, enquanto o Nasdaq perdia 0,71%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!